Inovação para a Agricultura

pten
Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube
  • S14
  • S8
  • S13
  • Inovação na Agricultura
  • S11
  • S3
  • S6
  • S2
  • S5
  • S12
  • S7

SINCERE - Incentivo a inovações para os serviços de ecossistemas florestais na Europa


Fonte de financiamento : H 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Exploração de novas abordagens para aliar a gestão florestal rentável com as diferentes necessidades da sociedade.

Descritores: Floresta


Objetivos visados:

Estimular Inovações para os serviços de ecossistema florestais na Europa enquanto resposta às necessidades da sociedade por serviços florestais, tais como recreação, proteção da biodiversidade e sequestro de carbono.



Pontos de situação / Resultados:

Projeto em curso

B4EST - Reprodução adaptativa para florestas produtivas, sustentáveis e resilientes sob as mudanças climáticas


Fonte de financiamento : H 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

As alterações climáticas podem aumentar a vulnerabilidade das florestas a danos e doenças, reduzir a saúde e a produtividade das florestas e causar perdas económicas.

Descritores: Alterações Climáticas; Floresta


Objetivos visados:

Aumentar a sobrevivência, a saúde, a resiliência e a produtividade das florestas sob o efeito das alterações climáticas, mantendo a diversidade genética e as principais funções ecológicas e promovendo uma economia competitiva baseada na bioindústria. O objetivo do B4EST é fornecer aos produtores, proprietários florestais, gerentes e formuladores de políticas um melhor conhecimento científico para lidar com estes problemas.



Pontos de situação / Resultados:

projeto em curso

Modelar a dinâmica de plantas invasoras em paisagens florestais em cenários de clima futuro, uso da terra, gestão florestal e distúrbios do fogo


Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Esta proposta de visa desenvolver uma estrutura de modelação dinâmica integrativa que melhora a compreensão das interações entre plantas invasoras e suas paisagens florestais. Este objetivo será alcançado através da aplicação de técnicas de modelação de última geração e cenários realistas de mudança ambiental para explicar e prever, sob uma abordagem espacialmente explícita, os padrões e dinâmicas dos invasores de plantas exóticas florestais mais problemáticas em diversas escalas na Península Ibérica. Isso permitirá antecipar futuras invasões e melhorar a prevenção e o controlo aos níveis de planeamento e gestão florestal.

Descritores: Floresta; paisagem; Gestão; Invasoras


Objetivos visados:

Os objetivos específicos podem ser expressos como quatro questões de investigação sequenciais:

(1) Que espécies de plantas exóticas são hoje mais invasivas nas áreas florestais ibéricas, e que fatores limitam a sua atual distribuição (e potenciais dinâmicas futuras) na Península?;

(2) Como é que essas essas espécies estão distribuídas pela paisagem em áreas de floresta invadida, e como é que se relacionam com condições de escala e heterogeneidade  paisagens e florestas?

(3) Quais são as principais mudanças estruturais (e funcionais) introduzidas por essas plantas invasoras em manchas florestais e paisagens, e como é que essas mudanças interferem na expansão dos invasores?:

(4) Como é que mudanças no clima, no uso da terra, na floresta a gestão e os distúrbios provocados por incêndios promovem a sua expansão para paisagens florestais não invadidas e, assim, como é que é possível evitar e gerir futuras invasões?



Pontos de situação / Resultados:

_

Rega de Precisão de Sobreiros em Modo de Produção Intensiva de Cortiça


Fonte de financiamento : PDR 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção mundial de cortiça tem vindo a diminuir em quantidade e qualidade com inerente impacto económico. Este facto deve-se à perda de vitalidade dos sobreiros (Quercus suber) ao longo das últimas décadas atribuída a más práticas de gestão, maior ocorrência de agentes bióticos nocivos, alterações climáticas, entre outros. A preservação do sobreiro e do ecossistema Montado é imprescindível para que possamos continuar a usufruir não só da cortiça produzida mas também de um património valioso para as populações da Bacia Mediterrânica. A rentabilidade da exploração de cortiça está diretamente relacionada não só com a quantidade produzida mas, também, com a sua qualidade.
A qualidade da cortiça, definida como a sua adequação tecnológica aos produtos a que se destina, constitui um fator determinante da rentabilidade de todo o sector económico ligado a esta matéria-prima sendo um dos objetivos principais dos produtores e industriais. Como referido, a produção mundial de cortiça tem vindo a diminuir, estimando-se atualmente uma produção de 220 mil toneladas de cortiça amadia, valor inferior em cerca de 40% ao da produção de1970. A amadia é considerada a cortiça rentável, sendo obtida a partir do terceiro descortiçamento em sobreiros com mais de 40 anos, e que eventualmente poderá ter a qualidade exigida para a produção de rolhas. Tem-se verificado não só uma redução na produção de cortiça, devido a fenómenos de mortalidade, mas também uma redução na qualidade da mesma, comprometendo a demanda de rolhas naturais no mercado global. Além disso, a redução, tanto na quantidade como na qualidade de cortiça poderá ter efeitos bastantes negativos na manutenção dos povoamentos por parte dos produtores, que eventualmente poderão optar por outras espécies florestais ou votar ao abandono as suas áreas.Pelas razões acima referidas, a possibilidade de se poder extrair cortiça precocemente, respeitando o perímetro estipulado por lei para a desbóia (primeiro descortiçamento - 70 cm a 1.30m de altura do fuste) e sem danos para a árvore, poderá melhorar a capacidade de resposta do mercado corticeiro às necessidades de procura do produto a médio prazo, favorecendo toda a fileira da cortiça, desde os produtores, transformadores e compradores, incluindo o meio rural e os trabalhadores, cuja economia está ligada a este sector.Considerando o acima exposto, o presente Grupo Operacional pretende, através da transferência, aperfeiçoamento e monitorização de um conceito de gestão silvícola recentemente desenvolvida, nomeadamente através da fertirrigação de novas áreas florestais de sobro, demonstrar uma oportunidade a todos os envolvidos diretamente no presente consórcio bem como aos demais stakeholders da fileira da cortiça, evidenciando e envolvendo diretamente todos os potenciais interessados na transferência/intercâmbio de conhecimentos técnico-científicos recentes no sentido de possibilitar e validar um novo conceito, já numa escala de adoção a nível dos produtores florestais, centrado na fertirrigação controlada de novas plantações florestais de sobro.

Descritores: Regadio; Montado; Cortiça; Sobreiro; Floresta


Objetivos visados:

Com esta iniciativa pretende-se:

(1) conhecer a possibilidade de antecipar aprodução de cortiça em novas plantações de sobreiros com fertirrega, de forma rentável,

(2) avaliar o efeito da fertirrega na formação, produção e qualidade da cortiça utilizando para isso plantações já existentes com sobreiros adultos ou em situação pré-desbóia e,

(3) proceder à transferência de conhecimento técnico científico gerado neste Grupo Operacional para a instalação de novos povoamentos de sobreiros com recurso à introdução da fertirrega.



Pontos de situação / Resultados:

Em curso.

Consultar a Agenda de eventos


Agenda
de Eventos

Consultar o Grupo de Trabalho Inovação


Grupo de 
Trabalho Inovação

Consultar a Folha Informativa RRN- Inovação


Folha Informativa
RRN- Inovação

Consultar a Bolsa de Iniciativas


Bolsa de Iniciativas

Centro de recursos


Centro de Recursos