Inovação para a Agricultura

pten
Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube
  • S6
  • S7
  • Inovação na Agricultura
  • S11
  • S12
  • S13
  • S5
  • S3
  • S2
  • S8
  • S14

EyesOnTraps+ - Detecção inteligente de pragas da vinha por aprendizagem automática para monitorização fitossanitária da vinha


Fonte de financiamento : PT 2020, OUTROS
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Num contexto de alterações climáticas as pragas-chave da vinha (ex: traça-da-uva e cigarrinha-verde) desenvolvem um maior número de gerações anuais, o que aumenta a sua nocividade, dificultando a sua correcta monitorização e posteriormente o seu controlo eficaz. Por outro lado, verifica-se o aparecimento de novas pragas emergentes que poderão comprometer seriamente a viabilidade desta cultura. A imprevisibilidade desta ameaça e a dificuldade em monitorizar o grau de risco dificulta a definição de estratégias eficazes que reduzam o número de tratamentos fitossanitários a aplicar. Num contexto de alterações climáticas as pragas-chave da vinha (ex: traça-da-uva e cigarrinha-verde) desenvolvem um maior número de gerações anuais, o que aumenta a sua nocividade, dificultando a sua correcta monitorização e posteriormente o seu controlo eficaz. Por outro lado, verifica-se o aparecimento de novas pragas emergentes que poderão comprometer seriamente a viabilidade desta cultura. A imprevisibilidade desta ameaça e a dificuldade em monitorizar o grau de risco dificulta a definição de estratégias eficazes que reduzam o número de tratamentos fitossanitários a aplicar. A monitorização de insectos na vinha é actualmente realizada recorrendo a armadilhas (sexuais e cromotrópicas). No entanto, a correcta contagem e identificação de insectos é uma tarefa consumidora de tempo e recursos. Para além disso, a alteração do padrão de distribuição dos insectos faz com que, por vezes, o correcto reconhecimento de insectos exija a contribuição de especialistas em taxonomia, tornando o processo de diagnóstico moroso, estanque e susceptível a erros.


Objetivos visados:

Com o projecto EyesOntraps+ pretende-se desenvolver uma aplicação móvel que permita a contagem automática de pragas-chave (traça-da-uva, cigarrinha-verde, cigarrinha da Flavescência Dourada) em armadilhas na vinha, de forma a diminuir o erro humano e a maximizar o processo de análise e decisão.Por outro lado, o registo automático de temperatura, através de um sensor acoplado, permitirá a implementação de modelos de apoio á decisão que fundamentarão a emissão de alertas /avisos ao viticultor /técnico. Estes alertas darão indicação mais precisa dos períodos ideais para a realização das estimativas do risco das pragas, suportando o correcto posicionamento de tratamentos insecticidas, maximizando a sua eficácia e promovendo o seu uso sustentável.


Sumário do plano de ação:

O sistema está desenhado de forma modular e escalável, para suportar a detecção de novas pragas e de auxiliares capturados nas armadilhas, permitindo no futuro a identificação de espécies não consideradas no projecto. No final do projecto deverá obter-se uma solução móvel, comercializável para o mercado.
A utilização destas ferramentas de monitorização automática em conjugação com a aplicação de modelos de previsão de pragas, incorporados em sistemas de apoio à decisão pretendem apoiar os viticultores da região do Douro no processo de monitorização de pragas e na tomada de decisão contribuindo para o uso sustentável dos pesticidas, cumprindo os objectivos da DIRECTIVA 2009/128/CE.


Pontos de situação / Resultados:

Estão previstas a realização de atividades de investigação e especificação da solução, desenvolvimento experimental de protótipos,teste/validação dos mesmos junto dos associados da ADVID, bem como ações de promoção, disseminação e participação em Fóruns/Workshops temáticos e eventosde networking nas áreas Agrícola e TIC.

CAEA AGRI - Caminhos de Adaptação de Espécies Agrícolas às Alterações Climáticas


Fonte de financiamento : PDR 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Os impactes de recentes eventos extremos, tais como ondas de calor, secas, cheias e fogos florestais, demonstram a significativa vulnerabilidade e exposição à variabilidade climática de alguns ecossistemas e de muitos sistemas humanos. Na Europa, estes eventos extremos têm já impactes significativos sobre múltiplos setores económicos, assim como efeitos adversos sobre a sociedade e a saúde. Portugal encontra- se entre os países europeus com maior potencial de vulnerabilidade aos impactes das alterações climáticas. 

Como resposta à necessidade de preparar o País para fazer face ao impacto crescente das alterações do clima, e à necessidade de promover medidas de adaptação a estas alterações, o Governo Português aprovou, em 2010, a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas – ENAAC que agora está em revisão no âmbito do Grupo de Trabalho da ENAAC2020, da qual os parceiros fazem parte de forma ativa.

De entre as diversas medidas propostas no documento da ENAAC2020 a necessidade de identificar variedades de espécies agrícolas que melhor se adaptam às novas condições de produção e a premência de elaborar manuais de boas páticas agrícolas que incluam os itinerários técnicos mais ajustados a estas variedades, são transversais a todo o documento.

O BPGV é um dos 170 bancos de germoplasma com mais de 10 000 acessos conservados, dos 1 750 existentes no Mundo, que conservam um volume total de 7.4 milhões de acessos. O BPGV iniciou as suas atividades em 1977, com o apoio da FAO e do Bioversity International. A coleção de hortícolas conservadas reúne 3847 acessos com um diversificado grupo de espécies e de onde destacamos o grupo das brássicas com 1261 acessos, resultantes da seleção empírica dos agricultores portugueses em modo de agricultura familiar.Tendo em conta a importância que o milho e as espécies hortícolas têm para o nosso pais, encontrando-se entre as mais sensíveis ao nível da adaptação às alterações climáticas, importa socorremo-nos do enorme potencial de informação que existe no BPGV e darmos agora maior visibilidade e “utilização” sustentável a algumas das variedades aí conservadas que julgamos terem grande potencial para se adaptarem às novas condições de produção que agora se nos deparam.


Objetivos visados:

O projeto CAEA–AGRI pretende transferir boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, selecionando variedades de milho e espécies hortícolas que se encontram guardadas no Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV). De facto, de entre o acervo conservado de milho e espécies hortícolas (Brassicas) conservadas no BPGV muitas delas têm um potencial produtivo, pela sua maior adaptação às nossas novas condições de produção, que se podem revelar muito interessantes para o nosso país. Estes parâmetros relacionam-se com maior rusticidade, ciclos curtos, maior adaptação aos nossos solos, e maior adaptação ao clima mediterrâneo.

A informação recolhida será compilada e tratada, e posteriormente divulgada junto do sector agrícola e agroalimentar nacional, em formatos clara e facilmente assimiláveis pelos diferentes agentes dos sectores identificados. O objetivo do projeto vai, assim, claramente ao encontro da área de Intervenção 3 da Rede Rural Nacional – Divulgação de informação, pois permite dar visibilidade a uma das maiores coleções de variedades tradicionais que existem à escala mundial e que se encontra localizada no BPGV.Por outro lado, é ainda objetivo desta candidatura elaborar duas brochuras (milho e espécies hortícolas - Brassicas), potenciando a maior adaptabilidade destas espécies às nossas condições de produção no âmbito das alterações climáticas.


Sumário do plano de ação:

O projeto CAEA–AGRI pretende transferir boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, selecionando variedades de milho e espécies hortícolas que se encontram guardadas no Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV).


Pontos de situação / Resultados:

O projecto CAEA AGRI - Caminhos de Adaptação de Espécies Agrícolas às Alterações Climáticas tem por objectivo, entre outras, fazer um levantamento dos acessos de milho e brássicas existentes na base de dados do Banco Português de Germoplasma Vegetal (INIAV). De entre os inúmeros acessos consultados, foram seleccionadas 2041 acessos para o milho e 1256 acessos para as brássicas, o que constitui um número muito  elevado de dados, que vem confirmar o grande interesse deste projecto para o nosso país. Os dados vão agora ser parametrizados de acordo com as características que se julgam mais interessantes para ir ao encontro da maior resistência destas espécies às Alterações Climáticas.

Rede de impacto e adaptação às alterações climáticas no território nacional, nos sectores agrícola, agroalimentar e florestal


Fonte de financiamento : PDR 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

As alterações climáticas são identificadas como “uma das maiores ameaças ambientais, sociais e económicas que o planeta e a humanidade enfrentam”, tal como reafirmado na RCM nº 24/2010, de 1 de abril, que aprovou a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC). Constituem, por isso, um dos principais desafios para o desenvolvimento da humanidade, havendo um consenso alargado sobre a necessidade de adotar estratégias que facilitem a adaptação da sociedade às novas condições do clima.

A agricultura, o setor agroalimentar e as florestas em Portugal são particularmente vulneráveis às alterações climáticas, tendo uma dupla premência na necessidade em estabelecer um trajeto para fazer face ao desafio que estas alterações impõem: por um lado, são atividades biológicas fortemente dependentes das condições climáticas; por outro, as projeções científicas para a região mediterrânica apontam para alterações do clima com efeitos muito nefastos na produção vegetal e animal. De facto, a região mediterrânica é uma das que se prevê serem mais afetadas, tal como reconhecido pela Comissão Europeia.Como resposta à necessidade de preparar o País para fazer face ao impacto crescente das alterações do clima, e à necessidade de promover medidas de adaptação a estas alterações, o Governo Português aprovou, em 2010, a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas - ENAAC.


Objetivos visados:

O projeto RIAAC-AGRI pretende transferir boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, recolhendo de forma exaustiva informação científica existente nesta área, através da consulta de projetos de investigação e artigos científicos. A informação recolhida será compilada e tratada, e posteriormente divulgada junto do sector agrícola, agroalimentar e florestal, em formatos clara e facilmente assimiláveis pelos diferentes agentes dos setores identificados. O objetivo do projeto vai, assim, claramente ao encontro da área de Intervenção 4 da Rede Rural Nacional - Observação da agricultura e dos territórios rurais.

Por outro lado, é ainda objetivo desta candidatura efetuar um levantamento exaustivo das necessidades de inovação existentes nesta área de forma a podermos ir de encontro às reais necessidades do sector agrícola, agroalimentar e florestal, numa área tão sensível como é a problemática das alterações climáticas.

Sem prejuízo de outras prioridades que sejam acordadas no decorrer dos trabalhos, esta candidatura irá:

I. Fazer um levantamento exaustivo da informação científica existente nesta área, através da consulta de projetos de investigação, artigos científicos, papers;

II. Disponibilizar na plataforma do GPP a informação recolhida, que centralize informações, progressos e a interação de atores no âmbito da adaptação às alterações climáticas em Portugal, levando em linha de conta a possível ligação a plataformas congéneres na União Europeia;

III. Adotar planos de comunicação tendo em vista a sensibilização do sector agrícola, agroalimentar e florestal em relação às alterações climáticas, desenvolvendo diversos conteúdos de promoção e disseminação de resultados (manual de recomendações, catálogos de projetos de referência, vídeo temático, folhetos) de fácil compreensão pelos interessados.


Sumário do plano de ação:

Transferência boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, recolhendo de forma exaustiva informação científica existente nesta área, através da consulta de projetos de investigação e artigos científicos.


Pontos de situação / Resultados:

Os resultados preliminares do projeto incluem:

•Criação de uma base de dados com projetos relacionados com a temática das alterações climáticas, com especial incidência nas fileiras do regadio, milho, sorgo, tomate de indústria e floresta, contendo, atualmente, 196 projetos, e está disponível em: https://inovacao.rederural.gov.pt/projetos/alteracoes-climaticas

•Criação de uma base de dados com artigos científicos relacionados com a temática das alterações climáticas, focada, novamente, nas mesmas culturas e sectores, contendo, atualmente 298 artigos, e disponível em: http://www.rederural.gov.pt/centro-de-recursos/category/16-riaac

• Divulgação dos resultados do projeto em conferências internacionais.

• Divulgação dos resultados do projeto através da elaboração de catálogos contendo os principais projetos identificados para os setores do regadio, milho, sorgo, tomate de indústria e floresta.

• Pretende-se ainda elaborar reuniões com stakeholders de cada fileira para analisar a informação selecionada e produzir recomendações de boas práticas na adaptação às alterações climáticas.

• Elaboração de documentos (brochuras) que sintetizem as recomendações de boas práticas identificadas para cada setor.

• Webinar “Alterações Climáticas: que desafios para o sector agroflorestal nacional?", 18 Dezembro 2020. Programa

Wine WATERFootprint - Avaliação da pegada hídrica na fileira vitivinícola


Fonte de financiamento : PT 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O projeto pretende avaliar a pegada hídrica na fileira vitivinícola através do desenvolvimento de uma metodologia aplicada a estudos de caso. A determinação da pegada hídrica na vinha e no vinho, bem como a avaliação da sua sustentabilidade, permitirá identificar pontos críticos e ineficácias no processo passíveis de mitigação. Com o conhecimento adquirido pretende-se propor e concretizar medidas de gestão da água que reduzam 10% da pegada hídrica. Este projeto terá ainda como output uma aplicação computacional, user friendly, para o cálculo das pegadas azul, verde e cinzenta de forma independente, na vinha e na adega.


Objetivos visados:

Os objetivos principais do projeto são:

(1) Avaliação de tecnologias de largo espectro visando reduzir o consumo de água, avaliar a uniformidade da distribuição de água e a sua eficiência de aplicação na vinha e determinar a água usada durante a produção de vinho ;(2) avaliação da sustentabilidade da pegada hídrica visando a identificação de hotspots e definir estratégias que reduzam a pegeda hidrica em 10%.



Pontos de situação / Resultados:

Em curso.

Consultar a Agenda de eventos


Agenda
de Eventos

Consultar o Grupo de Trabalho Inovação


Grupo de 
Trabalho Inovação

Consultar a Folha Informativa RRN- Inovação


Folha Informativa
RRN- Inovação

Consultar a Bolsa de Iniciativas


Bolsa de Iniciativas

Centro de recursos


Centro de Recursos