Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S5
  • S8
  • S7
  • S12
  • Inovação na Agricultura
  • S14
  • S11
  • S6
  • S3
  • S13
  • S2

Projetos Rede Rural Nacional

Pesquisar projectos

Divulgar Bio

Entidade líder do projeto: Instituto Politécnico de Coimbra
Responsável pelo projeto: Maria Isabel Ribeiro Dinis
Parceiros:

IPC - Instituto Politécnico de Coimbra; ADER-SOUSA - Associação de Desenvolvimento Rural das Terras do Sousa; COTHN - Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional; Douro Superior Associação de Desenvolvimento; Pinhal Maior – Associação de Desenvolvimento do Pinhal Interior Sul

Breve descrição:

Neste projeto são identificadas dúvidas e lacunas de conhecimento dos agricultores em relação à agricultura biológica (AB), através da realização de oficinas locais e visitas a produtores biológicos e sistemas de comercialização de produtos biológicos, de outras regiões do país. A identificação dessas dúvidas e lacunas é feita através de um processo participativo, no qual os agricultores são uma parte ativa. Este levantamento, servirá de base à definição dos conteúdos chave a incluir em manuais sobre AB, destinados a agricultores, que serão o principal resultado do projeto. O projeto focar-se-á maioritariamente no setor das hortícolas e frutas por ser aquele em que existe um maior desfasamento entre a procura e a oferta internas e para o qual se espera um crescimento significativo da procura, conforme está descrito na ENAB.

Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A informação estatística disponível mostra que o consumo de produtos alimentares biológicos em Portugal está muito dependente da importação, particularmente no que se refere a frutos e hortícolas frescos, apesar de existirem no país condições edafo-climáticas muito favoráveis a estes setores e à Agricultura Biológica (AB). Para promover este tipo de produção é essencial divulga-lo junto dos agricultores, esclarecer as suas dúvidas e motivá-los para a conversão para este modo de produção

Objetivos visados:

O objetivo do projeto consiste em desenvolver um plano de comunicação destinado a agricultores, visando a sua conversão para AB. O principal resultado é a elaboração de quatro manuais sobre agricultura e produção biológica destinados a agricultores que serão amplamente divulgados através de diversos suportes. Com este material de apoio à formação, espera-se que as dúvidas e a perceção de risco associadas à AB possam ser minimizados, facilitando e apoiando a instalação e a conversão de agricultores para este modo de produção. Os conteúdos destes manuais, bem como a sua organização poderão constituir um suporte para futuras ações de formação organizadas por diferentes entidades em todo o país. Ao mesmo tempo, espera-se que, indiretamente, a participação de diversos agricultores num conjunto alargado de ações integradas e articuladas de recolha e discussão de informação, possa resultar no aumento da taxa de conversão para AB no território de influência dos parceiros, quer através da motivação dos próprios participantes nas oficinas e visitas, quer pelo efeito que estes possam vir a ter noutros agricultores das suas comunidades e redes. De uma forma mais geral, espera-se que este projeto contribua para o aumento do número de agricultores a produzir em modo de produção biológico e para a redução da dependência externa do país no setor das frutas e hortícolas biológicas.O objetivo do projeto consiste em desenvolver um plano de comunicação destinado a agricultores, visando a sua conversão para AB. O principal resultado é a elaboração de quatro manuais sobre agricultura e produção biológica destinados a agricultores que serão amplamente divulgados através de diversos suportes. Com este material de apoio à formação, espera-se que as dúvidas e a perceção de risco associadas à AB possam ser minimizados, facilitando e apoiando a instalação e a conversão de agricultores para este modo de produção. Os conteúdos destes manuais, bem como a sua organização poderão constituir um suporte para futuras ações de formação organizadas por diferentes entidades em todo o país. Ao mesmo tempo, espera-se que, indiretamente, a participação de diversos agricultores num conjunto alargado de ações integradas e articuladas de recolha e discussão de informação, possa resultar no aumento da taxa de conversão para AB no território de influência dos parceiros, quer através da motivação dos próprios participantes nas oficinas e visitas, quer pelo efeito que estes possam vir a ter noutros agricultores das suas comunidades e redes. De uma forma mais geral, espera-se que este projeto contribua para o aumento do número de agricultores a produzir em modo de produção biológico e para a redução da dependência externa do país no setor das frutas e hortícolas biológicas.

Sumário do plano de ação:
  1. Realização de oficinas com agricultores e técnicos do projeto;
  2. Análise das principais práticas produtivas utilizadas em AB, recorrendo à área certificada da ESAC;
  3. Visitas a explorações e estruturas de comercialização de produtos biológicos da área de influência dos parceiros locais;
  4. Visita a explorações e estruturas de comercialização de agricultura biológica de uma região de Espanha;
  5. Elaboração de manuais técnicos especializados por atividade; 
  6. Produção de brochuras; 
  7. Organização de um evento nacional com intercâmbio com redes de Agricultura biológica /agroecologia de outros países europeus;
  8. Coordenação do projeto.
Pontos de situação / Resultados:

Foram realizadas duas oficinas com agricultores em cada uma das quatro áreas de intervenção do projeto. Estas oficinas foram gravadas em formato áudio e vídeo, tendo-se feito as respetivas transcrições, as quais estão a ser analisadas para se identificarem dificuldades e constrangimentos dos agricultores no processo de conversão e manutenção em modo de produção biológico. As visitas sofreram atrasos em virtude da Covid-19. Iniciaram-se em julho com a visita à área biológica da Escola Superior Agrária de Coimbra e prosseguirão em setembro com as visitas aos territórios dos quatro parceiras, se a situação da pandemia o permitir.