Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S11
  • S13
  • S8
  • S5
  • S7
  • S3
  • S2
  • S6
  • S12
  • S14
  • Inovação na Agricultura

NAT-OMEGA3. Desenvolvimento de gama de produtos lácteos, naturalmente enriquecidos em ácidos gordos polinsaturados Ómega 3 por via nutricional, promotores da saúde humana, bem-estar animal e sustentabilidade económica e ambiental das explorações leiteiras

Entidade líder do projeto: FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA
Responsável pelo projeto: Luis Tavares
Área do plano de ação: Bovinicultura
Parceiros:

EUROCEREAL-COMERCIALIZACAO DE PRODUTOS AGRO-PECUARIOS S.A.; JERÓNIMO MARTINS - LACTICÍNIOS DE PORTUGAL, S.A.; VIVALEITE - COOPERATIVA DE PRODUTORES DE LEITE, CRL.


Prioridade do FEADER: P3A) aumento da competitividade dos produtores primários mediante a sua melhor integração na cadeia agroalimentar através de regimes de qualidade, do acrescento de valor aos produtos agrícolas, da promoção em mercados locais e circuitos de abastecimento curtos, dos agrupamentos e organizações de produtores e das organizações interprofissionais;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção leiteira nacional enfrenta uma crise de sustentabilidade económica, resultante da progressiva quebra no consumo humano de leite de vaca, do aumento das importações de produtos lácteos de baixo custo e da recente abolição das quotas leiteiras na CE. Estes fatores originaram um excesso de oferta no mercado, com a consequente diminuição do preço à produção e a restrição à entrega de leite à indústria. O atual preço do leite de vaca à produção coloca os criadores na marginalidade da sustentabilidade económica e obriga a um desinvestimento com impacto social (despedimento de colaboradores), que frena o melhoramento e inovação. As restrições colocadas pelos industriais de lacticínios ao volume de entregas de leite, têm obrigado os criadores a diminuírem a sua produção por diversas vias, incluindo a redução do número de ordenhas diárias e o refugo precoce de animais. Esta situação exige a implementação de medidas de otimização da produção, sobretudo os fatores que mais afetam a eficiência económica da exploração (fertilidade, saúde, nutrição). Por outro lado, urge estimular a inovação através do desenvolvimento de produtos diferenciados e que reabilitem a imagem do leite nacional aos olhos do consumidor. Neste contexto, surge a oportunidade de produzir um tipo de leite e seus derivados que, mercê dos seus benefícios para a saúde humana, o bem-estar animal e o  ambiente, tenha um efeito estimulante do consumo e traga uma mais-valia económica a todos os patamares da fileira produtiva, quer diretamente através do preço diferenciado de venda, quer indiretamente através da otimização da fertilidade, saúde e longevidade das vacas leiteiras. Esta iniciativa resulta também da oportunidade de direcionar novos produtos lácteos inovadores e mais saudáveis, para uma população crescente de consumidores mais esclarecidos e que privilegiam a qualidade alimentar, a proteção da saúde humana, bem-estar animal, preservação do ambiente e equidade social.


Objetivos visados:

Esta iniciativa conjuga o empreendedorismo e cooperação empresarial dos sectores da nutrição animal, produção primária, transformação e comercialização de lacticínios, para desenvolver produtos inovadores de valor acrescentado para todos os níveis da fileira. O objetivo final desta iniciativa é o desenvolvimento de um novo tipo de leite de vaca e seus derivados, naturalmente ricos em agpΩ-3, que promovam simultaneamente a saúde do consumidor, a fertilidade, saúde e bem-estar animal, a eficiência zootécnica e económica da exploração bovina leiteira, a proteção ambiental, e que gerem uma mais-valia económica para os agentes envolvidos no circuito de produção e comercialização do leite e seus derivados.

Isto engloba a obtenção dos seguintes objetivos parciais:

i) Formulação da alimentação das vacas, incluindo fontes naturais ricas em agpΩ-3 que garantam uma absorção acrescida de agpΩ-3 e a sua excreção no leite;

ii) Obtenção de leite naturalmente enriquecido em agpΩ-3 de uma forma consistente e regular ao longo do ano, e que proporcione pelo menos os níveis mínimos recomendados pela OMS/FAO;

iii) Desenvolvimento de produtos lácteos utilizando o leite enriquecido em agpΩ-3, com boa estabilidade e avaliação sensorial, que garanta aceitação pela indústria e pelo consumidor;

iv) Aumento da eficiência reprodutiva da exploração;

v) Melhoria da saúde e bem-estar animal, avaliados pela redução da morbilidade e mortalidade e pelo aumento da longevidade produtiva das vacas leiteiras;

vi) Redução da taxa de refugo e consequente diminuição da retenção de animais para substituição, desta forma disponibilizando-os para venda;

vii) Redução das emissões de metano por vaca e por exploração;

viii) Aumento da eficiência económica da exploração leiteira como resultado das alíneas anteriores.


Sumário do plano de ação:

Pretende-se produzir leite de vaca (e seus derivados) naturalmente rico em ácidos gordos polinsaturados ómega 3 (agpΩ-3), por via da nutrição, que promova a saúde dos consumidores, a saúde e bem-estar animal, a eficiência reprodutiva, produtiva e económica da exploração leiteira e a sua sustentabilidade ambiental, simultaneamente originando produtos diferenciados de valor acrescentado para toda a fileira produtiva. Os efeitos benéficos dos agpΩ-3 estão bem documentados e antecipa-se que melhorarão a fertilidade, saúde e longevidade das vacas, com reflexo positivo na economia da exploração leiteira. Os lacticínios ricos em agpΩ-3 contribuirão para a cobertura das necessidades humanas nestes agp essenciais que promovem a saúde. As modificações operadas no metabolismo ruminal reduzem a descarga de metano de origem animal e o seu impacte ambiental. Ao nível do consumidor, pretende-se contribuir para a re-habilitação da imagem do leite e para a estimulação do seu consumo.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.