Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S5
  • S11
  • Inovação na Agricultura
  • S3
  • S14
  • S7
  • S6
  • S12
  • S2
  • S13
  • S8

FruitFlyProtec - Melhorar o combate a moscas da fruta por monitorização e avaliação de eficácia de meios de proteção alternativos para Ceratitis capitata e Drospohila suzukii e avaliação do risco de introdução e distribuição potencial para Bactrocera dors

Entidade líder do projeto: COTHN - Centro Operativo Tecnológico Hortofrutícola Nacional
Responsável pelo projeto: Maria do Carmo Martins
Site do projeto: https://fruitflyprotec.webnode.pt/
Área do plano de ação: Cultura de produtos hortícolas, raízes e tubérculos
Parceiros:

DIRECAO REGIONAL AGRICULTURA E PESCAS DO ALGARVE; FRUSOAL - FRUTAS SOTAVENTO ALGARVE LDA; INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM; INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA; MADRE FRUTA - CENTRO DE VENDAS HORTOFRUTICOLAS LDA; O MELRO.OP, S.A.  


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção frutícola nacional encontra-se atualmente bastante vulnerável ao aparecimento de novas pragas, bem como ao aumento da incidência das espécies já existentes, como é o caso de moscas da fruta, nomeadamente Ceratitis capitata (Wiedmann) e Drosophila suzukii (Matsumura) que causam perjuízoss significativas, podendo mesmo inviabilizar a produção em determinadas regiões, onde as suas populações são muito elevadas. Esta situação tem tendência a agravar-se com as alterações climáticas que induzem o aumento das populações destas pragas e alargam a sua distribuição geográfica.Esta situação tem vindo a agravar-se nos últimos anos em face da ausência de frio nos meses de inverno, levando a um aumento das populações, dando início a estragos/prejuízos mais cedo e alargando a Esta situação tem tendência a agravar-se com as alterações climáticas que induzem o aumento das populações destas pragas e alargam a sua distribuição geográfica.A vulnerabilidade do nosso país à entrada de outras moscas da fruta, sobretudo tefritídeos, reside no facto de algumas delas estarem já referidas em países africanos com os quais Portugal tem relações próximas em termos de circulação de pessoas e bens, o que aumenta o risco da sua introdução no território. Recorde-se que Bactrocera dorsalis (Hendel) [B. invadens Drew, Tsura & White] já está na Macaronésia, em Cabo Verde.O sector produtivo, quer do Continente quer das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, tem manifestado grande preocupação com esta problemática, principalmente pela necessidade de realizar novas culturas, que podem ser totalmente inviabilizadas pelas moscas da fruta. Por exemplo, com o fim das quotas leiteiras, muito produtores de leite dos Açores começam a procurar alternativas para a sua atividade, sendo a fruticultura vista como uma excelente oportunidade. No entanto a abundância população de mosca do Mediterrâneo pode inviabilizar esta situação, pelo que urge arranjar soluções a apresentar ao sector produtivo.


Objetivos visados:

Pretende-se que o trabalho a desenvolver contribua para melhor conhecimento e combate a três espécies economicamente importantes. Assim, os principais objectivos da presente operação são:

a) Para a espécie D. suzukii propõe-se (i) desenvolver métodos expeditos para monitorizar populações em diferentes condições ecológicas; (ii) identificar os principais fatores de risco como hospedeiros alternativos às culturas (repositórios) e temperaturas limites (superior e inferior) para desenvolvimento e voo; (iii) definir estratégias de protecção da cultura, em especial medidas preventivas e avaliação de eficácia de técnicas de captura em massa ou outros meios de proteção inovadores;

b) Para a espécie C. capitata pretende-se realizar a prospecção e avaliação da actividade e eficácia de controlo de predadores e parasitóides, avaliação de iscos e dispositivos de armadilhas e extratos de plantas com bioactividade;

c) Para espécie B. dorsalis pretende-se identificar os factores de risco e a distribuição geográfica potencial no Continente e nas Regiões Autónomas dos Açores e Madeira, tendo em conta as condições ótimas, e limitantes do seu desenvolvimento e voo e hospedeiros potenciais – zonagem de risco potencial; no caso da Região Autónoma da Madeira dada a proximidade a Cabo Verde e tendo em conta a importância económica da cultura da banana e outras culturas subtropicais, urge prever a sua movimentação, efetuar monitorização em vários locais do arquipélago e avaliar métodos de captura em massa. Estes trabalhos deverão ser feitos em conjunto com equipas de regiões onde exista a praga e com alguma semelhança de clima/relevo com as existentes nos possíveis locais de invasão e com parceria de instituições das regiões autónomas da Madeira e dos Açores (Fundação gaspar Frutuoso e Secretaria de Agricultura e Pescas da RAM).

d) Para as três espécies pretende-se avaliar os estragos, desenvolver e implementar ferramentas de SIG para mapeamento das populações e apoio à decisão, divulgar melhor ainformação, a qual embora exista para o caso de C. capitata está muito dispersa e não sistematizada.


Sumário do plano de ação:

Melhorar o combate a moscas da fruta por monitorização e avaliação de eficácia de meios de protecção alternativos para Ceratitis capitata e Drospohila suzukii e avaliação do risco de introdução e distribuição potencial para Bactrocera dorsalis.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.