Inovação para a Agricultura

pten
Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube

 

                                        Rede Rural Nacional       PDR 2020       Portugal 2020       FEADR

S1.png
S2.png
S3.png
S5.png
S6.png
S7.png
S8.png
S9.png
S10.png
S11.png
S12.png
S13.png
S14.png
S16.png
previous arrow
next arrow

Projetos Alterações Climáticas - RIAAC-AGRI (PDR2020 - Assistência técnica RRN - Área 4)

Pesquisar projectos

Área plano de acção

Fonte de financiamento

AdaptForChange - Melhorar o sucesso do reflorestamento em áreas semi-áridas: adaptação ao cenário de mudanças climáticas

Entidade líder do projeto: Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Responsável pelo projeto: Cristina Branquinho
Site do projeto: http://echanges.fc.ul.pt/projetos/adaptforchange/
Parceiros:

Associação de Defesa do Património de Mértola; Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais

Data de início do projeto: 01-01-2015
Data de fim do projeto: 31-12-2016

Fonte de financiamento : EEA-Grants
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A recente expansão do clima semi-árido a todo o Alentejo e o crescente impacto das alterações climáticas exigem adaptação local. O aumento da floresta autóctone representa uma estratégia ao nível do ecossistema pois aumenta a resiliência e os serviços de ecossistema através do aumento da: matéria orgânica no solo, carbono e azoto, biodiversidade, infiltração de água, etc; e diminui a suscetibilidade à desertificação. Por essa razão, grandes áreas têm sido reflorestadas com as espécies autóctones de azinho e sobro no Alentejo, mas com uma baixa taxa de sucesso.

Descritores: Alterações Climáticas; Azinho; Floresta


Objetivos visados:

Desenvolvendo um modelo que aponte quais a zonas que: i) podem ser facilmente regeneradas com baixos custos; ii) devem ser sujeitas a reflorestação assistida, com apoio de diversas técnicas; iii) devem ser ocupadas por atividades alternativas devido à dificuldade em as reflorestar. Ao adequar os esforços e energia a cada local através do conhecimento da sua ecologia diminuímos substancialmente o custo-benefício, melhorando as taxas de sobrevivência a longo prazo.



Pontos de situação / Resultados:

O projeto pretendeu aprender com campanhas de reflorestamento dos últimos 40 anos, para compreender quais dos métodos utilizados apresentaram melhores resultados e taxas de sucesso. A regeneração natural é um componente importante do sucesso do reflorestamento. A partir da análise da sua ocorrência, resultou um modelo que permite a identificação de zonas específicas em Mértola (Alentejo), onde a regeneração natural é favorecida ou necessita de assistência para ocorrer, e quais as técnicas mais adequadas em cada caso. Os planos detalhados são de extrema importância, nomeadamente em áreas de topografia complexa. Não há uma única receita que resulte em todo o país. Para uma boa relação custo / benefício, os reflorestamentos precisam ser adaptados ao clima.