Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • Inovação na Agricultura
  • S13
  • S3
  • S5
  • S8
  • S11
  • S12
  • S14
  • S6
  • S2
  • S7

TomatInov - Inovação de Produto e de Processo no Tomate de Estufa

Entidade líder do projeto: Instituto Politécnico de Santarém
Responsável pelo projeto: Margarida Oliveira
Área do plano de ação: Cultura de produtos hortícolas, raízes e tubérculos
Parceiros:

ASSOCIAÇÃO INTERPROFISSIONAL DE HORTICULTURA DO OESTE; CARMO & SILVÉRIO SA; HORTOMARIA - PRODUÇÃO HORTÍCOLA, LDA.; OLHORTA - PRODUÇÃO DE PRODUTOS HORTÍCOLAS LDA


Prioridade do FEADER: P2A) melhoria do desempenho económico de todas as explorações agrícolas e facilitação da restruturação e modernização das explorações agrícolas, tendo em vista nomeadamente aumentar a participação no mercado e a orientação para esse mesmo mercado, assim como a diversificação agrícola;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O tomate é o principal fruto hortícola, com uma grande penetração de consumo na população portuguesa e europeia, nos diferentes segmentos etários, de rendimento e de estilos de vida. Com múltiplas utilizações culinárias, o tomate é também um produto muito segmentado, com diversas tipologias, que têm mantido a sua popularidade e níveis de consumo. Não obstante a popularidade deste fruto, é comum ouvir-se queixas do consumidor em relação ao sabor do tomate existente no mercado. Há anos que se persiste a perceção de que o sabor do tomate tem vindo a diminuir. Tal situação deve-se, em parte, à enfase dos programas de melhoramento centrados em características valorizadas pelos agentes a montante da cadeia de abastecimento - produtores, operadores logísticos, distribuição - nomeadamente resistência a stresses bióticos e abióticos e frutos que apresentem uma coloração uniforme, boa aparência, firmeza e uma longa shelf-life, em detrimento da melhoria da qualidade sensorial do sabor. Por outro lado, a tecnologia de produção e o manuseamento pós-colheita atuais prejudicam a intensidade de sabor e de aroma mais apreciada pelos consumidores. As principais cadeias de distribuição nacionais e europeias (e.g., Marks & Spencer) têm programas de desenvolvimento de produto focadas na melhoria do sabor do tomate fresco. O tomate fresco é predominantemente produzido em estufas (87,2%). A tecnologia de produção em estufas foi objeto de uma intensificação tecnológica últimos anos, principalmente nas regiões mais competitivas como o Oeste e Alentejo litoral. A renovação do parque tecnológico das culturas protegidas na região Oeste na sequência das intempéries de Dezembro de 2009 foi um dos motores da mudança. No entanto, os elevados investimentos requerem proficiência técnica para permitir um uso eficiente dos recursos e retorno do investimento. O total aproveitamento dos sistemas de cultura protegida sem solo requer uma endogeneização do conhecimento e sua adequada transferência para a produção. Neste momento, é reconhecido pelos agentes que as possibilidades tecnológicas não estão a ser exploradas plenamente por falta de investigação de translação adequada, o que é indispensável para aumentar o retorno do capital investido nas infraestruturas e equipamentos. Este projeto visa melhorar a eficiência de utilização dos recursos, nomeadamente da água e dos fertilizantes, e simultaneamente melhorar a produtividade e qualidade do tomate fresco, contribuindo para o posicionamento nacional no contexto europeu como um território de excelência para a produção de tomate fresco de época, sem resíduos, de qualidade sensorial consistente.


Objetivos visados:

O grupo operacional TomateInov visa melhorar a eficiência de utilização dos recursos, nomeadamente da água e dos fertilizantes, e simultaneamente melhorar a produtividade e qualidade do tomate fresco, contribuindo para o posicionamento da região do Oeste no contexto europeu como um território de excelência para a produção de tomate fresco de época, sem resíduos, de qualidade sensorial consistente.

Os objetivos gerais do grupo operacional:

1. Transferir conhecimento sobre a cultura protegida do tomate, nomeadamente nos sistemas de cultura sem solo, fomentar a inovação no setor e permitir maior geração de valor ao longo da cadeia de abastecimento;

2. Reforçar a competitividade e a sustentabilidade da fileira da horticultura protegida, através da melhoria da eficiência do uso da água, dos fertilizantes e do retorno do capital fixo investido nas estufas e sistemas de produção e controlo.

São objetivos específicos deste grupo operacional:

1. Melhorar a perceção do sabor do tomate do Oeste, aumentando o teor em sólidos solúveis para um valor médio de 6%;

2. Produzir os coeficientes técnicos para apoiar as decisões de gestão sobre climatização de estufas;

3. Aumentar a produtividade do tomate em estufa em 50%;

4. Aumentar a eficiência de uso da água em 20% e apoiar a transição para sistemas de cultura sem solo com recirculação de solução nutritiva;

5. Aumentar a eficiência do uso do azoto em 30%;

6. Reduzir a aplicação de produtos fitofarmacêuticos em 20% e eliminar os resíduos de pesticidas no tomate do Oeste;

7. Desenvolvimento de gamas tomate premium nas tipologias de tomate redondo e de tomate-cacho;

8. Criar a perceção nos mercados nacional e europeus do Oeste como um território de excelência para a produção de tomate fresco.


Sumário do plano de ação:

A região Oeste, com mais de 50% da área e da produção protegida nacional, complementa o ciclo de produção de tomate de Almeria e pode abastecer o mercado Europeu. A evolução tecnológica das culturas protegidas tem sido rápida e a tecnologia existente na região requer uma elevada proficiência técnica para poder ser plenamente utilizada. O TomatInov tem por objetivos transferir conhecimento sobre a cultura protegida do tomate, nomeadamente nos sistemas de cultura sem solo, fomentar a inovação no setor e permitir maior geração de valor ao longo da cadeia de abastecimento e reforçar a competitividade e a sustentabilidade da fileira da horticultura protegida, através da melhoria da eficiência do uso da água, dos fertilizantes e do retorno do capital fixo investido nas estufas e sistemas de produção e controlo. O GO dará também solução técnica às dificuldades decorrentes do enquadramento legal solução drenada das culturas sem solo como resíduo industrial (DL nº 236/98).


Pontos de situação / Resultados:

Apresentação do GO TomatInov no Colóquio sobre Inovação Hortofrutícola, iniciativa promovida pelo COTHN, no dia 16 de novembro de 2018.