Inovação para a Agricultura

PT EN
FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
  • S7
  • S2
  • S3
  • S8
  • S10
  • S11
  • S13
  • S5
  • S14
  • S6
  • S12

AGIR: Avaliação da eficiência da áGua e energIa em aproveitamentos hidroagRícolas

Entidade líder do projeto: FENAREG - FEDERAÇÃO NACIONAL DE REGANTES DE PORTUGAL
Responsável pelo projeto: Carina Arranja (secretariado@fenareg.pt)
Área do plano de ação: Cerealicultura (excepto arroz)
Parceiros:

AGRO-VALE LONGO, LDA; ASSOCIACAO DE BENEFICIARIOS DA OBRA DE REGA DE ODIVELAS; ASSOCIACAO DE BENIFICIARIOS DA OBRA DA VIGIA; ASSOCIACAO DE REGANTES E BENEFICIARIOS DO VALE DO SORRAIA; CENTRO OPERATIVO E DE TECNOLOGIA DE REGADIO; INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA IP; INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL; LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL, I.P.; MENCOCA AGRICULTURA; SOCIEDADE AGRICOLA BICO DA VELA II; UNIVERSIDADE DE ÉVORA.


Prioridade do FEADER: P5A) melhoria da eficiência na utilização da água pelo setor agrícola;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A melhoria de eficiência dos Aproveitamentos Hidroagrícolas, através do uso eficiente da água e da energia, constitui uma das principais preocupações das EG, entidades gestoras dos Aproveitamentos Hidroagrícolas, que são as Associações de Regantes e Beneficiários (AR) ou as Juntas de Agricultores (JA) (47  Associações de Regantes e Beneficiários e, nos regadios tradicionais, mais de 2500 as Juntas de Agricultores homologadas pela DGADR. É também uma prioridade do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR2020), não só pela crescente pressão regulamentar da PAC, enquadrada pela Diretiva-Quadro da Água (DQA) e Planos de Gestão de Região Hidrográfica (PGRH), como também pela promoção da eficiência económica e ambiental, do Plano Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA), da Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC) ou do Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE). Nos Aproveitamentos Hidroagrícolas, as perdas de água podem ascender a 40% da água entrada nos sistemas com superfície livre e a 30% nos sistemas em pressão. O PNUEA identificou ambiciosas metas para a redução das ineficiências nos sectores urbano, agrícola e industrial – 20, 35 e 15%, respetivamente. No entanto, enquanto no setor urbano houve uma melhoria notória em termos de ineficiência no uso da água entre 2000 e 2010, passando de 40% para 25%, no setor agrícola a redução no mesmo período foi menos expressiva, passando de 40% para 37,5%. Estes valores denotam que é crucial uma aposta em instrumentos que permitam redução da ineficiência no uso da água no setor agrícola. Em alguns Aproveitamentos Hidroagrícolas, o custo da energia pode chegar a representar cerca de 70% do preço da água para rega. Existe, assim, um elevado potencial de poupança no setor que, de acordo com a União Europeia (JOUE, 2012) 15 , só ao nível das estações elevatórias, se estima que seja da ordem dos 20 a 30%. Assim, a crescente consciencialização sobre o consumo de energia associado ao bombeamento para captação, transporte e distribuição de água nos sistemas de abastecimento hidroagrícolas faz com que a ineficiência no uso da água deva ser vista de uma forma integrada para preservação dos recursos e para garantia da sustentabilidade dos sistemas.


Objetivos visados:

O objetivo principal desta iniciativa é a criação de um sistema para a avaliação da eficiência do uso da água e da energia adaptado aos Aproveitamentos Hidroagrícolas e para apoio na tomada de decisão sobre propostas de soluções para a melhoria da eficiência no uso da água e da energia, desenvolvendo-se, para tal, um conjunto de instrumentos de apoio à capacitação das EG e de recomendações aos agricultores. Os resultados decorrentes da presente iniciativa, permitirão ao projeto AGIR constituir-se uma referência em termos de perdas de água e de energia em AH a nível nacional e internacional.

Para o efeito, serão adotadas, como ponto de partida, abordagens consolidadas e as ferramentas de análise mais recentes inovadoras, no sentido de atingir os seguintes objetivos específicos:

1. Caracterização geral dos Aproveitamentos Hidroagrícolas em termos de perdas de água e de energia;

2. Desenvolvimento e teste de metodologias para cálculos dos balanços hídrico e energético e de métricas de avaliação de desempenho específicos para os Aproveitamentos Hidroagrícolas;

3. Elaboração da aplicação computacional para cálculo de balanços hídrico e energético e do respetivo sistema de indicadores de desempenho;

4. Estimativa global das eficiências hídrica e energética dos Aproveitamentos Hidroagrícolas portugueses;

5. Estabelecimento de soluções para melhoria da eficiência hídrica e energética em subsectores dos Aproveitamentos Hidroagrícolas considerados prioritários;

6. Elaboração de guias técnicos com recomendações para implementação da metodologia desenvolvida.

Os resultados a atingir são orientados pela natureza concreta do problema e para a aplicação na prática produtiva, assentando em processos que potenciem a aplicação prática dos resultados da iniciativa, de forma acessível a todos os interessados.


Sumário do plano de ação:

Desenvolver sistema de avaliação da eficiência do uso da água e da energia em aproveitamentos hidroagrícolas.


Pontos de situação / Resultados:

Dia 12 de dezembro de 2017, apresentação do GO AGIR, no âmbito das II Jornadas Técnicas EDIA/COTR.

Dia 8 de março de 2018, no congresso da Água, em Évora, decorreu uma sessão de apresentação deste GO.

Participação no workshop EIP-AGRI - Água e Agricultura: estratégias adaptativas ao nível da exploração agrícola, a decorrer em Almería nos dias 30 e 31 de maio de 2018.

Sessão de apresentação no VII Congresso Nacional de Rega e Drenagem, realizar-se-á sob o lema “Regadio em mudança: a modernização na dinamização do desenvolvimento regional”, e terá lugar nos dias 27 a 29 de Junho de 2018.