Inovação para a Agricultura

Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube
PT EN
  • S14
  • S8
  • S2
  • Inovação na Agricultura
  • S12
  • S6
  • S13
  • S7
  • S11
  • S5
  • S3

NUTRIOLEA - Nutrição e fertilização do olival superintensivo

Entidade líder do projeto: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
Responsável pelo projeto: Pedro Jordão
Site do projeto: https://www.iniav.pt/projetos/nutriolea-grupo-operacional-nutricao-e-fertilizacao-do-olival-superintensivo
Área do plano de ação: Olivicultura
Parceiros:

Associação dos Olivicultores da Região de Elvas; Carrilha de Palma - Sociedade Agrícola lda; Elaia 2, Investimentos S.A; Elosua Portugal - Produtos Alimentares, S.A.; Olivum - Associação de Olivicultores do Sul; Sociedade Agrícola Valbom e Anexos Lda; Sociedade Olivícola F.A.Callado, S.A.; Torre das Figueiras - Sociedade Agrícola, Lda


Prioridade do FEADER: P5E) promoção da conservação e do sequestro de carbono na agricultura e na silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O olival é a cultura permanente com maior área no nosso país. Nos últimos anos a produção de azeite tem aumentado (GPP, 2015), devido ao acréscimo de olivais intensivos em produção, em particular dos superintensivos, olivais regados com mais de 1000 plantas por ha (Jordão e Almeida, 2014). O Alentejo é a principal região produtora de azeitona e de azeite e o olival, tal como no resto do país, é dominantemente de sequeiro. Porém, ali se concentra a maior área de olival superintensivo. A introdução destes olivais, potenciada pela disponibilidade de água, torna necessário o aperfeiçoamento de recomendações de fertilização adaptadas às cultivares ora usadas, sistema de condução e produções obtidas, em que a aplicação dos nutrientes é feita através da fertirrega. A boa gestão da água disponível e dos nutrientes necessários aí aplicados contribuirá para a obtenção de elevadas produções e de qualidade, atenuar ou eliminar o fenómeno da safra e contrassafra usual nesta espécie, evitando, simultaneamente, impactes ambientais negativos. Poderá permitir a redução de custos de produção e o aumento da vida útil do olival, contribuindo para a melhoria do rendimento dos olivicultores. Sendo o olival uma cultura tradicional de sequeiro existem lacunas de conhecimento sobre a fertilização racional dos olivais superintensivos.

A definição de quais os nutrientes a aplicar em cada caso e a melhor oportunidade de o fazer, através de um diagnóstico adequado em diferentes fases do ciclo da cultura, é um objetivo que se pretende atingir. O conhecimento gerado por este GO permitirá a otimização da fertirrega, contribuindo para a sustentabilidade e competitividade do setor olivícola nacional.


Objetivos visados:

Constitui objetivo geral deste Grupo Operacional (GO) obter informação que permita o aperfeiçoamento das recomendações de fertilização racional para olivais superintensivos em produção, especialmente da cultivar Arbequina, dominante neste sistema de condução, com base no conhecimento do estado de fertilidade do solo e de nutrição das árvores, bem como na produção esperada.

O trabalho experimental e de demonstração a realizar no âmbito do Plano de Ação (PA) tem como objetivos específicos:

1 . estabelecer valores de referência para interpretação dos resultados da análise foliar em olivais superintensivos em produção, em diferentes épocas do seu ciclo, associadas aos principais estados fenológicos, com vista a diagnosticar desequilíbrios nutritivos das árvores, passíveis de serem corrigidos através da fertilização;

2 . Definir os períodos de ocorrência dos principais estados fenológicos da cv. Arbequina em olivais superintensivos, nas zonas de produção mais importantes do Alentejo;

3 . aperfeiçoar as fertilizações a realizar em olivais superintensivos, com base nos resultados das análises de terra, foliar e da água de rega, bem como na produção esperada.


Sumário do plano de ação:

Constitui objetivo geral deste Grupo Operacional (GO) obter informação que permita o aperfeiçoamento das recomendações de fertilização racional para olivais superintensivos em produção, especialmente da cultivar Arbequina, dominante neste sistema de condução, com base no conhecimento do estado de fertilidade do solo e de nutrição das árvores, bem como na produção esperada.


Pontos de situação / Resultados:

Sessões de divulgação do GO Nutriolea

2018

2019

  • Pedro Jordão participou em duas sessões de divulgação do GO NUTRIOLEA, a saber: 
    1 - a 5 de Novembro, em Elvas, no Workshop Regional de Inovação na Agricultura. Fileira: Olivicultura:
    https://inovacao.rederural.gov.pt/images/Docs/WS_Regional2019/Poster_NutriOlea.pdf  
    2
    - a 26 de novembro 2019, em Beja, por convite da Olivum, nas VI Jornadas Olivum. 
    Em ambas apresentou um painel sobre o GO NUTRIOLEA, tendo na primeira destas divulgado, junto do mesmo, aos presentes, os seus principais objetivos e algumas ações desenvolvidas. 
  • Pedro Jordão ministrou uma aula aos alunos do Mestrado em Agronomia, na ESA de Beja, sobre a Nutrição e Fertilização do olival, em que dedicou algum tempo a falar do GO Nutriolea, a 24 de outubro 2019.  

2020

  • Pedro Jordão deu uma aula aos alunos de Mestrado em Agronomia do IPB a 24/10/2020, na ESA de Beja, em que apresentara o tema Alguns Aspetos da Nutrição e Fertilização do Olival, onde, entre outras matérias, divulga os principais objetivos do GO Nutriolea e desenvolve o tema do artigo sobre a água de rega.

Trabalhos Publicados:

2019

  • Jordão, P. 2019. Importância dos valores de referência para interpretação dos resultados da análise foliar em olivais em sebe. Oleavitis, Revista Técnica de Olivicultura e Azeite, abril/maio/junho, nº 38, pg.s 6 a 8.  
  • Jordão, P. 2019. Importância dos valores de referência para interpretação dos resultados da análise foliar em olivais em sebe. Vida Rural, nº1851, outubro, 34-35.

2020

  • Jordão, P. 2020. O GO Nutriolea e o seu contributo para a optimização da produção do olival em sebe. Futas, legumes e flores, 66-69, Novembro 2020.
  • Jordão, P., Rebelo, F. e Calouro, F. 2020. Água de rega: fonte oculta de nutrientes. Oleavitis, nº42, Abril, Maio, junho 12-16. Edição digital.
    https://www.flipsnack.com/7999EADEFB5/ev-abr-mai-jun-digital/full-view.html