Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S13
  • S2
  • S5
  • S14
  • S12
  • S7
  • Inovação na Agricultura
  • S6
  • S11
  • S8
  • S3

ICas_Bísaro - Protocolos de Imunocastração para porcos Bísaros

Entidade líder do projeto: UNIVERSIDADE DE TRÁS OS MONTES E ALTO DOURO
Responsável pelo projeto: Helena Carvalho
Área do plano de ação: Carne de suíno
Parceiros:

ALBERTO JOÃO AFONSO FERNANDES; ASSOC. NAC. CRIAD. SUINOS RACA BISARA; BISARO - SALSICHARIA TRADICIONAL LDA; CORANE - ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DOS CONCELHOS DA RAIA NORDESTINA; QUINTA DAS COVAS - SOCIEDADE AGRO-TURISTICA, LDA


Prioridade do FEADER: P2A) melhoria do desempenho económico de todas as explorações agrícolas e facilitação da restruturação e modernização das explorações agrícolas, tendo em vista nomeadamente aumentar a participação no mercado e a orientação para esse mesmo mercado, assim como a diversificação agrícola;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O Porco Bísaro é uma raça autóctone cuja carne é usada também para a produção defumeiro tradicional, ambos com menções protegidas. Produzidos em regime semiintensivo,os animais são criados para serem comercializados como leitões ou porcos deengorda; existem ainda nas explorações animais reprodutores. É uma raça com baixataxa de crescimento (Santos Silva et al., 2000), pelo que a idade ao abate érelativamente mais tardio em comparação com sistemas industriais de produção. Sendofrequente o abate de animais depois da puberdade, esta prática traz alguns aspectosnegativos ao sistema de produção, que os proprietários tentam ultrapassar com acolocação do produto no mercado na forma de leitão. Nomeadamente:

1. O aumento da interação social entre animais nos grupos acarreta lutas, interfere com oritmo alimentar e o rendimento produtivo do grupo, que é mais heterogéneo;

2. A ciclicidade regular das fêmeas, a manifestação de cio e as alteraçõescomportamentais que o acompanham interferem com o ritmo alimentar das porcas, eportanto com o sua eficiência produtiva;

3. Como em muitas explorações não se pratica a separação física dos lotes por género, acoabitação de machos e fêmeas de pouca idade, mas péri-púberes, favorece abeneficiação e a obtenção de gestações muito precocemente, o que interfere tambémcom o ritmo de crescimento destas fêmeas e favorece o emagrecimento acentuadodestas mães no final do desmame, comprometendo a qualidade do produto acabado;

4. Favorece a incidência de carnes com “cheiro sexual”, por acumulação de androsteronae escatol na gordura.

O que levou a alguns produtores a tomarem a iniciativa de administrar progestagéniosO que levou a alguns produtores a tomarem a iniciativa de administrar progestagéniosexógenos como supressores de cio, o que coloca um risco acrescido de resíduos nacarcaça, e configura risco involuntário para a saúde pública, caso os prazos de segurançanão sejam devidamente cumpridos.Respondendo a algumas solicitações que têm sido apresentadas à ANCSUB, a criação deum grupo operacional focado na identificação de métodos não cirúrgicos de supressão daatividade reprodutiva eficazes, transversais ao segmento masculino e feminino, permitiriadesenhar os protocolos mais adequados a cada situação e segmento da população (ie,jovens/adultos, machos/fêmeas), a serem testados in loco em explorações piloto,garantindo que não haja alteração da qualidade físico-química e sensorial da carcaça eprodutos derivados. Daqui resultará uma melhoria da eficiência do sistema produtivodesta raça autóctone e em simultâneo permite definir condições para a modernização daprodução e a qualificação dos produtores, bem como antecipar as alterações que seanteveem na legislação europeia relativamente à abolição de castrações sem anestesiaprofunda, fortemente pressionada pelos países do norte da Europa que subscreveram aDirectiva Europeia sobre as alternativas à castração cirúrgica em porcos.


Objetivos visados:

O grupo propõe-se desenvolver protocolos de imunocastração adaptados às diferentesfases do ciclo produtivo, para supressão médica da atividade reprodutiva em machos efêmeas de raça Bísara, tanto para aplicação em animais pré-púberes como em animaismaturos. A otimização destes protocolos às condições específicas de maneio desta raçaautóctone como foi solicitado pelos produtores através da ANCSUB permitirá:

1. Criar um portfólio de protocolos para imunocastração prolongada (mais de 8 semanas),desenhados para um segmento do ciclo produtivo em específico, e em função da idade oupeso pretendido ao abate;

2. Cumprir as diretrizes europeias relativas à prática de castração cirúrgica em porcos;

3. Suprimir a atividade reprodutiva da fêmea e macho reprodutores antes do abate e porconsequência contribuir para a redução do cheiro sexual (associado à androstenona eescatol) nas suas carnes e da depreciação da carcaça que lhe está associada;

4. Avaliar o impacto desta técnica de maneio na eficiência produtiva e na qualidade doproduto final (carne de porco Bísaro);

5. Modernizar e inovar o maneio reprodutivo das explorações de porco Bísaro;

6. Determinar de que modo esta prática contribui para a normalização da qualidade dascarnes Bísara e em consequência dos produtos transformados;

7. Aumentar o fluxo de animais da categoria jovens adultos (idades próximas de um ano) para a indústria de transformação de produtos de elevado valor acrescentado;

8. Contribuir para a valorização e sustentabilidade da produção de carne de Bísaro eprodutos dela derivados.


Sumário do plano de ação:

Este projeto propõe-se desenhar protocolos de imunocastração específicos para os animais de raça suina Bísara, que permitam manteros animais em regime de supressão de atividade reprodutiva por períodos prolongados de tempo (que não são possíveis com o regime de administração desenvolvido para a produção industrial de procos). Será ainda analisada a qualidade da matéria prima obtida (carne de porco Bísaro), para provar que os protocolos a desenvolver não originam depreciação do produto ou condicionam o seu aproveitamento na indústria de transformação tradicional. Estes protocolos inovadores, específicos para a raça e o seu sistema de produção, irão permitir aumentar o fluxo de carne de suíno de raça Bísaro para a produção de produtos transformados com IGP, de elevado valor acrescentado, normalizar a sua qualidade e, ainda, promover a utilização de modernas técnicas de maneio reprodutivo promotoras do bem-estar animal, uma forma adicional de valorizar os produtos oriundos desta raça.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.