Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S7
  • S13
  • S3
  • S12
  • S14
  • Inovação na Agricultura
  • S11
  • S6
  • S5
  • S8
  • S2

PinusResina

Entidade líder do projeto: ASSOCIAÇÃO BLC3 - CAMPUS DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Responsável pelo projeto: João Nunes
Área do plano de ação: Resina
Parceiros:

AIFF- ASSOC. PARA A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DA FILEIRA FLORESTAL; BTS ­ BIOTECHNOLOGY AND SENSING FOR FOOD SAFETY AND HEALTH, LDA; FACULDADE DE FARMACIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA; INSTITUTO DE TECNOLOGIA QUIMICA E BIOLOGICA; RESIPINUS-ASSOCIAÇÃO DE DESTILADORES E EXPLORADORES DE RESINA; VOZ DA NATUREZA LDA;


Prioridade do FEADER: P2A) melhoria do desempenho económico de todas as explorações agrícolas e facilitação da restruturação e modernização das explorações agrícolas, tendo em vista nomeadamente aumentar a participação no mercado e a orientação para esse mesmo mercado, assim como a diversificação agrícola;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A resina é um importante recurso do pinhal nacional, mas a falta de capacidade de inovação na sua transformação e diferenciação em outros mercados têm conduzido a oscilação significativa no mercado de exploração. A resina de goma (RG) é a forma sólida da oleoresina de pinho. A colheita de oleoresina inclui a realização de estrias na casca, expondo a interface entre o xilema secundário e o floema, e a sua coleta. A produção anual de RG é de 870.000 MT (2011), sendo produzido maioritariamente na China (76%), seguido do Brasil (8%), Indonésia (7%), India (3%) e da UE (2%). O défice na UE de RG é 162.600 MT e, durante os últimos 5 anos, o seu preço médio é de 2 USD/kg (Pinus pinaster produz 2kg de resina de óleo/árvore/época) (Figura 1). Os custos associados com a extração da RG na UE são elevados quando comparados com a Ásia, o que dificulta em termos competitivos a entrada da UE neste mercado.O preço global da RG deverá aumentar tendo em conta a procura. Prevê-se um aumento anual de 3-5%(preço máximo de 3,2USD/kg em abril de 2011), o que constituiu uma oportunidade para aumentar quer a competitividade da produção de RG na UE, quer a sustentabilidade dos pinhais existentes. Portugal apresenta uma área de 23% de P. pinaster que tem sido progressivamente substituída por outras ocupações de solo (ICNF, 2013). A exploração da resina permite igualmente criar postos de trabalho no território rural e diminui o risco de incêndios nestas áreas. A RG é usada para uma variedade de aplicações, desde borracha sintética até bactericidas e química fina.


Objetivos visados:

A iniciativa PinusResina tem como objetivo potenciar o desenvolvimento de novas cadeias de valor, competitivas e seguras, de valorização da resina originada em espaços florestais de pinheiro bravo e manso, tendo em consideração a proteção do ecossistema florestal e as indústrias derivadas, assim como, a sua competitividade.

Em particular, foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos:

(O1) implementar novas metodologias para a transformação única eficiente dos constituintes facilmente acessíveis da RG combinando métodos biológicos e químicos, eficientes e sustentáveis (assegurar a máxima valorização integral da RG);

(O2) avaliar a toxicidade dos produtos derivados da RG para garantir que as novas cadeias de valor respondem aos princípios da química verde, suportando o desenvolvimento de indústrias ambientalmente responsáveis;

(O3) analisar a variabilidade da composição da resina (variedade, origem e idade da árvore/época do ano de extração) e a capacidade de aproveitamento de resíduos da exploração da resina para novos produtos;

(O4) avaliar a sustentabilidade das novas cadeias de valor e dos produtos derivados da RG, via biotransformação;

(O5) analisar comparativamente (benchmarking) a competitividade das tecnologias estabelecidas com as inovadoras cadeias de valor, considerando todo o ciclo de vida, incluindo a avaliação comparativa entre a RG derivada de pinheiro bravo e a do pinheiro manso, e entre as RG nacional e as concorrentes originárias de outros países;

(O6) desenvolver uma rede de cooperação entre os diferentes exploradores de resinas; e

(O7) assegurar ampla divulgação dos resultados da iniciativa a nível nacional e internacional, tendo em consideração a necessidade de promover a qualidade da resina portuguesa.


Sumário do plano de ação:

A iniciativa PinusResina pretende identificar/estabelecer novas cadeias de valor de transformação e valorização, competitiva e segura, da resina de Pinus em produtos de alto valor acrescentado, com a missão de aumentar a competitividade e a sustentabilidade da floresta de pinheiro bravo e manso em Portugal.

A inovação e o aumento de conhecimento sobre um importante recurso da floresta portuguesa, suporta a sua exploração de forma diferenciada dos produtores dos mercados externos, aumentando a eficiência e a competitividade da gestão florestal.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.