Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • Inovação na Agricultura
  • S12
  • S5
  • S14
  • S13
  • S3
  • S2
  • S7
  • S11
  • S8
  • S6

Projetos Rede Rural Nacional

Pesquisar projectos

Anima_CCRES: Centro de Competências dos Recursos Silvestres (CCRES)

Entidade líder do projeto: ADPM - Associação de Defesa do Património de Mértola
Responsável pelo projeto: António Rosário Sebastião
Parceiros:

Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) Associação de Produtores de Figo da Índia Portugueses (APROFIP) Associação dos Produtores de Aguardente de Medronho do Barlavento Algarvio (APAGARBE) Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo (CEBAL) Centro de Biotecnologia de Plantas da Beira Interior (CBPBI) Centro de Excelência para a Valorização dos Recursos Mediterrânicos S.A (CEVRM) Confraria Gastronómica do Figo e da Figueira-da-índia Cooperativa Portuguesa do Medronho, CRL Corte Velada, Lda Eco Sapiens, Comunicação e Educação Ambiental, Lda. EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, S.A. Exotic Fruits NewFlavors, CRL Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa (FCSH-UNL) Greenclon, Lda INOVISA Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) Instituto Politécnico de Bragança - Centro de Investigação da Montanha Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) Instituto Politécnico de Coimbra - Escola Superior Agrária (IPC- ESA) Município de Almodôvar Município de Beja Município de Idanha-a-Nova Município de Pampilhosa da Serra Município de Portel Município de Serpa NERBE/AEBAL – Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral Quadrante Natural Quinta Essência, Soc. Agricola Unipessoal, Lda Sugar Bloom Unipessoal, Lda TAGUSVALLEY – Parque Tecnológico do Vale do Tejo TERRIUS Universidade de Évora (UÉvora) Universidade do Algarve (UAlg) Viver Serra - Associação p/ a Protecção e Desenvolvimento das Serras do Barlavento Algarvio

Breve descrição:

O atual projeto visa promover a análise, debate e partilha de conhecimentos, capacidades e competências que assegurem o crescimento, a inovação, a internacionalização e a competitividade dos recursos silvestres (medronho, dos cogumelos silvestres ou de produção e do figo da índia, as plantas tintureiras, os cardos e a alcaparra, o funcho, entre outros), enquanto recursos diferenciadores com relevância para o desenvolvimento rural.

Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:
  • Falta de conhecimento científico e tecnológico sobre as culturas e utilizações possíveis dos produtos, subprodutos e resíduos das produções primárias;
  • Falta de conhecimento por parte dos produtores das culturas na plantação e operações culturais: compassos; condução; mecanização; rega; fertilização; tratamentos fitossanitários; manuseamento; processamento pós-colheita; transformação;
  • Quadro institucional, legislação, regulamentação, políticas públicas, aplicável com certas exigências por ventura excessivas, mas também com algumas lacunas.
Objetivos visados:
  • Identificar problemas comuns, necessidades, soluções e boas práticas
  • Assegurar ligação em rede e cooperação sectorial de todos os agentes envolvidos
  • Transferir conhecimento técnico ao setor, capitalizando informação e resultados de projetos
Sumário do plano de ação:

O projeto integra um conjunto de atividades que materializam, uma interface para a recolha, partilha e divulgação de informação sistematizada, aprofundando o trabalho em rede e as iniciativas colaborativas entre os diversos atores da fileira dos recursos silvestres, aproximando empresas, entidades de investigação, técnicos de apoio, decisores políticos, e facilitando a sua participação na definição de estratégias para o setor.

  1. Criação de imagem gráfica e materiais de divulgação;
  2. Criação de Página Web Centro de Competências Recursos Silvestres;
  3. Dinamização de reuniões da rede do CCRES -  Relatório da reunião de trabalho da parceria CCRES; Reunião Assembleia geral CCRES 25/9/2019;
  4. Dinamização de Grupos de trabalho temáticos e visitas de campo a projetos de inovação;
  5. Organização de congresso nacional implementado;
  6. Edição de catálogo de projetos e competências.
Pontos de situação / Resultados:

Atividades já dinamizadas:

Atividades em curso:

  • Página web;

Atividades por realizar:

  • 4 focus group;
  • 1 seminário;
  • 1 brochura de boa práticas;
  • 1 seminário.
  • Estão a ser equacionada qual a melhor forma de dinamização das atividades que presenciais face à situação que se enfrenta ao nível da pandemia e ao facto de que as mesmas pressupõem a participação de mais de 10 pessoas.