Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • Inovação na Agricultura
  • S8
  • S5
  • S7
  • S2
  • S11
  • S6
  • S14
  • S12
  • S3
  • S13

Projetos Alterações Climáticas - RIAAC-AGRI (PDR2020 - Assistência técnica RRN - Área 4)

Pesquisar projectos

Área plano de acção

Fonte de financiamento

Caminhos de Adaptação de Espécies Agrícolas às Alterações Climáticas

Entidade líder do projeto: ANPROMIS
Responsável pelo projeto: Tiago Silva Pinto
Parceiros:

Associação Nacional dos Produtores e Comerciantes de Sementes (ANSEME); Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional  (COTHN); Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV)

Data de início do projeto: 01-01-2019
Data de fim do projeto: 31-12-2020

Fonte de financiamento : PDR 2020
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Os impactes de recentes eventos extremos, tais como ondas de calor, secas, cheias e fogos florestais, demonstram a significativa vulnerabilidade e exposição à variabilidade climática de alguns ecossistemas e de muitos sistemas humanos. Na Europa, estes eventos extremos têm já impactes significativos sobre múltiplos setores económicos, assim como efeitos adversos sobre a sociedade e a saúde. Portugal encontra- se entre os países europeus com maior potencial de vulnerabilidade aos impactes das alterações climáticas. 

Como resposta à necessidade de preparar o País para fazer face ao impacto crescente das alterações do clima, e à necessidade de promover medidas de adaptação a estas alterações, o Governo Português aprovou, em 2010, a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas – ENAAC que agora está em revisão no âmbito do Grupo de Trabalho da ENAAC2020, da qual os parceiros fazem parte de forma ativa.

De entre as diversas medidas propostas no documento da ENAAC2020 a necessidade de identificar variedades de espécies agrícolas que melhor se adaptam às novas condições de produção e a premência de elaborar manuais de boas páticas agrícolas que incluam os itinerários técnicos mais ajustados a estas variedades, são transversais a todo o documento.

O BPGV é um dos 170 bancos de germoplasma com mais de 10 000 acessos conservados, dos 1 750 existentes no Mundo, que conservam um volume total de 7.4 milhões de acessos. O BPGV iniciou as suas atividades em 1977, com o apoio da FAO e do Bioversity International. A coleção de hortícolas conservadas reúne 3847 acessos com um diversificado grupo de espécies e de onde destacamos o grupo das brássicas com 1261 acessos, resultantes da seleção empírica dos agricultores portugueses em modo de agricultura familiar.Tendo em conta a importância que o milho e as espécies hortícolas têm para o nosso pais, encontrando-se entre as mais sensíveis ao nível da adaptação às alterações climáticas, importa socorremo-nos do enorme potencial de informação que existe no BPGV e darmos agora maior visibilidade e “utilização” sustentável a algumas das variedades aí conservadas que julgamos terem grande potencial para se adaptarem às novas condições de produção que agora se nos deparam.


Objetivos visados:

O projeto CAEA–AGRI pretende transferir boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, selecionando variedades de milho e espécies hortícolas que se encontram guardadas no Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV). De facto, de entre o acervo conservado de milho e espécies hortícolas (Brassicas) conservadas no BPGV muitas delas têm um potencial produtivo, pela sua maior adaptação às nossas novas condições de produção, que se podem revelar muito interessantes para o nosso país. Estes parâmetros relacionam-se com maior rusticidade, ciclos curtos, maior adaptação aos nossos solos, e maior adaptação ao clima mediterrâneo.

A informação recolhida será compilada e tratada, e posteriormente divulgada junto do sector agrícola e agroalimentar nacional, em formatos clara e facilmente assimiláveis pelos diferentes agentes dos sectores identificados. O objetivo do projeto vai, assim, claramente ao encontro da área de Intervenção 3 da Rede Rural Nacional – Divulgação de informação, pois permite dar visibilidade a uma das maiores coleções de variedades tradicionais que existem à escala mundial e que se encontra localizada no BPGV.Por outro lado, é ainda objetivo desta candidatura elaborar duas brochuras (milho e espécies hortícolas - Brassicas), potenciando a maior adaptabilidade destas espécies às nossas condições de produção no âmbito das alterações climáticas.


Sumário do plano de ação:

O projeto CAEA–AGRI pretende transferir boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no que respeita à adaptação às alterações climáticas, selecionando variedades de milho e espécies hortícolas que se encontram guardadas no Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV).


Pontos de situação / Resultados:

Em curso.