Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S12
  • S7
  • S2
  • S14
  • S5
  • S10
  • S11
  • S6
  • S13
  • S3
  • S8

Projetos Alterações Climáticas - RIAAC-AGRI (PDR2020 - Assistência técnica RRN - Área 4)

Pesquisar projectos

Área plano de acção

Fonte de financiamento

ECOLIVES - Gestão sustentável em olivais mediterrânicos: serviços de controlo biológico providenciados por espécies silvestres como incentivos para a conservação da biodiversidade

Entidade líder do projeto: Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Universidade de Évora
Responsável pelo projeto: Luís Miguel Nunes Valente Afonso Reino
Site do projeto: https://cibio.up.pt/people/details/lmareino/projects/497
Parceiros:

Instituto de Ciências, Tecnologias e Agroambiente da Universidade do Porto; Instituto Superior de Agronomia

Data de início do projeto: 01-01-2015
Data de fim do projeto: 31-12-2018

Fonte de financiamento : FCT
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

As pragas agrícolas, e o decorrente uso de agroquímicos, estão entre as principais causas de prejuízo económico, correntemente estimados em milhares de milhões de dólares por ano. Recentemente, vários estudos apontam que a utilização de meios naturais de combate às pragas (conhecidos como serviços de controlo biológico - SCB) possa constituir uma forma eficaz, ecológica e lucrativa de reduzir os prejuízos na produção agrícola e a utilização de agroquímicos. Contudo, a aplicabilidade e investimento neste tipo de estratégias estão ainda muito condicionados pela falta de conhecimento da ecologia e dos processos que permitam a gestão dos SCB a longo-prazo.

Descritores: Olival; Pragas


Objetivos visados:

Usando os olivais mediterrânicos como casos de estudo, o principal objetivo do ECOLIVES é estimar o valor do controlo biológico natural em função do tipo de gestão de pragas aplicado sobre duas das suas principais pragas – a mosca-da-azeitona (Bactrocera oleae) e a traça-da-azeitona (Prays oleae) -, em olivais que seguem estratégias distintas de gestão de pragas.

Mediante o tipo de gestão, é espectável que a abundância e diversidade de espécies controladoras variem, diminuindo com o aumento da intensidade de controlo químico de pragas. Isto implica que o uso de agroquímicos, para além de ter um impacto económico não-negligenciável enquanto custo de produção, poderá ter reflexos significativos nas comunidades silvestres de predadores insectívoros generalistas de relevo na região, como por exemplo as aves e os morcegos.



Pontos de situação / Resultados:

Em curso.