Inovação para a Agricultura

pten
Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube

 

                                        Rede Rural Nacional       PDR 2020       Portugal 2020       FEADR

S1.png
S2.png
S3.png
S5.png
S6.png
S7.png
S8.png
S9.png
S10.png
S11.png
S12.png
S13.png
S14.png
S16.png
previous arrow
next arrow

Projetos Alterações Climáticas - RIAAC-AGRI (PDR2020 - Assistência técnica RRN - Área 4)

Pesquisar projectos

Área plano de acção

Fonte de financiamento

AGFORWARD

Entidade líder do projeto: Cranfield University
Responsável pelo projeto: Zoe Janes
Site do projeto: https://www.agforward.eu/index.php/pt/
Parceiros:

Veneto Agricoltura; Brandenburgische Technische Universitat Cottbus-Senftenberg; European Forest Institute; Association de Coordination Technique Agricole; Universidad de Santiago de Compostela; Technologiko Ekpedeftiko Idrima Stereas Elladas; Institut National de la Recherche Agronomique; Progressive Farming Trust Ltd Lbg; Brandenburgische Technische Universitat Cottbus-Senftenberg; Universidad de Extremadura; Instituto Superior de Agronomia; Kobenhavns Universitet; Eidgenoessisches Departement Fuer Wirtschaft, Bildung Und Forschung; Werkgroep Voor Een Rechtvaardige Enverantwoorde Landbouw; Aarhus Universitet; Agrifood And Biosciences Institute; Consiglio Per La Ricerca In Agricoltura E L'analisi Dell'economia Agraria; Stichting Louis Bolk Instituut; Consiglio Nazionale Delle Ricerche; Soproni Egyetem Kooperacios Kutatasi Kozpont Nonprofit Kft; Universitatea Babes Bolyai; Agenzia Veneta Per L'innovazione Nel Settore Primario; Agroof; Assemblee Permanente Des Chambres D'agriculture;  Association Francaise D Agroforesterie, Des Racines Et Des Cimes; International Centre For Research In Agroforestry; European Agroforestry Federation A Association*Eurafeuropean Agroforestry Federation

Data de início do projeto: 01-01-2014
Data de fim do projeto: 31-12-2017

Fonte de financiamento : 7th FRAMEWORK PROGRAMME
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A União Europeia tem metas para melhorar a competitividade da agricultura e da silvicultura europeias, melhorando simultaneamente o ambiente e a qualidade da vida rural. Ao mesmo tempo, é necessário melhorar a resiliência às alterações climáticas e aumentar a biodiversidade. Durante o século XX, grandes avanços na produtividade foram feitos pela administração da agricultura e da silvicultura como práticas separadas, mas muitas vezes elevado custo ambiental. Poderá haver benefícios em considerar, de forma holística, a paisagem, a biodiversidade e qualidade da água, tanto para os agricultores como para a sociedade em geral. Para tal uma integração mais estreita das árvores com a agricultura para uma bio economia europeia poderá ser uma solução. Esse contínuo de agricultura e árvores pode ser denominado “agrosilvicultura”, e é a prática de integrar deliberadamente a vegetação lenhosa (árvores ou arbustos) com os sistemas de cultivo e / ou animal para se beneficiar das interações ecológicas e económicas resultantes.

Descritores: Alterações Climáticas; Floresta; Adaptação; sistemas agro-florestais; Montado; Sobreiro; Milho


Objetivos visados:

O projeto tinha quatro objetivos que foram abordados através de dez pacotes de trabalho:O projeto tinha quatro objetivos que foram abordados através de dez pacotes de trabalho:

(1) Compreender o contexto e a extensão da agrossilvicultura na Europa;

(2) Identificar, desenvolver e testar em campo inovações para melhorar os benefícios e a viabilidade de sistemas agroflorestais na Europa;

(3) Avaliar projetos e práticas agroflorestais inovadoras para locais onde atualmente a agrosilvicultura não é praticada ou está em declínio;

(4) Promover a adoção mais ampla de sistemas agroflorestais apropriados na Europa por meio do desenvolvimento de políticas.



Pontos de situação / Resultados:

A investigação sobre o Montado em Portugal centrou-se na resposta do crescimento das árvores e da cortiça às diferentes práticas de gestão do sub-bosque.

Os principais resultados mostraram que:

(1) O impacto da gestão do sub-bosque no crescimento das árvores ou da cortiça deve ser monitorizado tanto a curto prazo (por exemplo mensalmente) como a longo prazo (por exemplo, período de rotação de descascamento de cortiça de um mínimo de nove anos);

(2) O impacto das práticas de gestão do sub-bosque no crescimento de árvores e de cortiça pode depender das condições climáticas, uma vez que os recursos do ecossistema, como a água e a concorrência, para o seu uso são diferentes de acordo com estas condições.

Por exemplo, o estabelecimento de tremoços no sub-bosque poderia favorecer o crescimento da cortiça se as condições favoráveis prevalecessem, mas o efeito poderia ser nulo em anos caracterizados por condições de seca;A agricultura arável fornece grandes quantidades de alimentos, mas pode estar associada a reduções na qualidade do solo e da água, na biodiversidade e na libertação de gases com efeito de estufa.

A integração de árvores dentro de sistemas aráveis pode fornecer uma variedade de serviços ecossistémicos, diversificação de produtos e melhor eficiência de recursos. A cultura mais comum é o trigo e outros cereais. Outras culturas incluem milho, feijão, ervilha, beterraba sacarina, batata, hortícolas, girassol, alfafa e plantas medicinais e aromáticas. Em Espanha, há interesse na produção de cereais combinados com nogueira e no cultivo de milho ou plantas medicinais entre nogueiras e cereja silvestre. Outros sistemas do sul da Europa incluem arroz e plantas aromáticas entre a noz e a cereja na Grécia e o álamo e o carvalho cultivados em campos aráveis em Itália.