Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S5
  • S3
  • S11
  • S8
  • S12
  • S13
  • S2
  • S10
  • S6
  • S7
  • S14

Controlo e minimização de prejuízos da espécie invasora Vespa velutina nigrithorax na produção apícola

Entidade líder do projeto: DOLMEN - DESENVOLVIMENTO LOCAL E REGIONAL, CRL;
Responsável pelo projeto: Telmo Pinto (dolmen@sapo.pt)
Área do plano de ação: Apicultura
Parceiros:

ADER-SOUSA ASSOC DE DESENVOLVIMENTO RURAL DAS TERRAS DO SOUSA; ALIPIO DA FONSECA; ASSOCIAÇÃO DE APICULTORES DA SERRA DO MARÃO; ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES FLORESTAIS DE MONTEMURO E PAIVA; AVELINO LUÍS COELHO DA MOTA RIBEIRO; JOAQUIM MADUREIRA; MARÃO MEL - APICULTURA, LDA ;  MIRTILÂNDIA - SOCIEDADE AGRÍCOLA, LDA; UNIVERSIDADE DE TRÁS OS MONTES E ALTO DOURO;


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A Vespa velutina (Vespa velutina nigrithorax) é uma espécie carnívora e predadora da abelha europeia (Apis Mellifera), encontrando-se, por enquanto, aparentemente circunscrita a concelhos do norte do País, com consequências que se manifestam no efetivo apícola, na produção de mel, na produção apícola de derivados e também com possíveis consequências na saúde pública, uma vez que sentindo-se ameaçadas reagem de modo bastante agressivo. Confirmada a introdução involuntária da Vespa velutina em Portugal em 2011 e visto tratar-se de uma espécie invasora carnívora, a sua ação predadora sobre a abelha europeia, associada à da vespa crabro, veio desestabilizar o ecossistema que está na base da produção de mel e produtos apícolas, através da diminuição do efetivo apícola e consequente redução da produção e qualidade do produto final, com consequências previsivelmente mais gravosas a médio e longo prazo, já que a destruição do ecossistema é gradual caso não sejam tomadas medidas que intervencionem na proliferação da espécie invasora. Através do recurso a ações de transumância de colmeias para áreas de montanha essencialmente ocupadas por espécies arbustivas, matos diversos, poder-se-á reduzir o acesso da Vespa velutina às colmeias e minimizar os prejuízos a nível da manutenção dos apiários e da produção apícola. Sendo uma espécie exótica com comportamento invasor, a redução das características ambientais e ecológicas que lhe são favoráveis levará a uma perda de condições de sobrevivência e de expansão e ao autocontrolo do seu avanço territorial.


Objetivos visados:

O objetivo central da presente iniciativa é a reposição do ecossistema anterior à introdução involuntária da Vespa Velutina, que coloca em causa a produção de mel e produtos apícolas, com recurso a novas técnicas a desenvolver em contexto de investigação científica e académica. Pretende-se também assegurar a sustentabilidade económica da atividade para os atuais apicultores; Recuperar o interesse da atividade por novos apicultores, potenciando a tão necessária criação de postos de trabalho, nomeadamente entre os jovens, no meio rural e em especial em zonas de montanha, com todas as vantagens em que tal se traduz. Continuar a garantir a produtividade dos pomares e o ecossistema vegetal, tão dependentes das nossas benéficas abelhas, é também um objetivo nobre deste projeto-piloto. Colaborar com as entidades oficiais, em especial na identificação e acompanhamento da destruição dos ninhos Desenvolver uma metodologia de captura, viva e sem danos físicos, de exemplares de Vespa velutina, colocação de um microchip e monitorização do movimento da vespa desde o local de captura até a colónia (ninho). O microship a colocar nas vespas terá um transponder que imitirá um sinal de rádio que será captado por um radar portátil devidamente programado para reconhecer o sinal. O monitor do radar permitirá seguir o voo das vespas e identificar a rota seguida desde as colmeias até ao ninho. Paralelamente, o voo será seguido por um Veículo Aéreo Não Tripulado (Drone) equipado com uma câmara fotográfica/vídeo, um localizador do sinal do transponder e um emissor de posição. Desenvolver uma metodologia de identificação de locais com baixa probabilidade de ocorrência da vespa e, por esse motivo, adequados à instalação de apiários.


Sumário do plano de ação:

Pretende resolver-se o problema, a nível da manutenção dos apiários e da produção apícola, colocado com a introdução em Portugal da espécie exótica Vespa VelutinaVespa velutina (Vespa velutina nigrithorax), também conhecida por Vespa Asiática, nativa do continente asiático, considerada invasora em território europeu.


Pontos de situação / Resultados:

O GO para o controlo e minimização de prejuízos da espécie invasora Vespa velutina nigrithorax (Vespa velutina) na produção apícola teve a sua primeira apresentação no dia 14 de abril de 2018, pelas 9h30, em Amarante (Dolmen).

Este GO foi apresentado no Agri-Innovation Summit 2017. O póster apresentado pode ser visto aqui.

Os parceiros têm reunido com regularidade mensal, analisando-se a abundância e dispersão da vespa asiática, bem como o desempenho dos diferentes tipos de armadilhas testadas.

A próxima apresentação pública ocorrerá na Cimeira Nacional de Inovação na Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural - AGRO INOVAÇÃO 2018 | 29 de outubro, às 09h30 na sala 5 do Lagoas Park Hotel.