Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S6
  • S11
  • S12
  • S8
  • S2
  • S13
  • S5
  • S14
  • S7
  • S3
  • S10

FitoAgro - Monitorização e estudo do ciclo de vida de inimigos emergentes na Região de forma a definir a estimativa do risco e o NEA com o objetivo de produzir informação para o seu controlo com base em estratégias alternativas à luta química

Entidade líder do projeto: CENTRO OPERATIVO E TECNOLÓGICO HORTOFRUTÍCOLA NACIONAL
Responsável pelo projeto: Maria do Carmo Martins
Site do projeto: https://fitoagro.webnode.pt/
Área do plano de ação: Cultura de pomóideas e prunóideas
Parceiros:

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES AGRÍCOLAS DA SOBRENA; COOPERATIVA AGRICOLA DO BOMBARRAL CRL; COOPERATIVA AGRÍCOLA DOS FRUTICULTORES DO CADAVAL CRL; CPF - CENTRO DE PRODUCAO E COMERCIALIZACAO HORTOFRUTICOLA LDA; ECOFRUTAS - ESTACAO FRUTEIRA DA ESTREMADURA LDA; FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA; FRUBAÇA - COOPERATIVA DE HORTOFRUTICULTORES CRL; FRUTOESTE-COOPERATIVA AGRICOLA DE HORTOFRUTICULTORES DO OESTE-CRL; FRUTUS - ESTAÇÃO FRUTEIRA DO MONTEJUNTO CRL; GRANFER - PRODUTORES DE FRUTAS, CRL; INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO; INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM; INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Atualmente, a produção hortofrutícola depara-se com a necessidade de resolução de problemas de índole fitossanitária, devido à- saída de sustâncias ativas que deixam muitas finalidade deficientemente cobertas ou mesmo a descoberto, promovendo o aumento de populações que estavam em equilíbrio e que por isso passam a praga;- às alterações climáticas que têm criado condições favoráveis ao aumento das populações das pragas e a ocorrência de doenças; à alteração nos ciclos de vida e à ocorrência de novos inimigos;- à necessidade de informação e registo regional de pragas e doenças, essencial para a elaboração dos planos de risco fitossanitário, na abertura de novos mercados de exportação;- à necessidade de criar um sistema de informação e apoio para técnicos e agricultores no âmbito da fitossanidade, que o ajude a cumprir as obrigações na Lei n.º 26/2013.Atualmente foram identificados como pragas de importância crescente:a) Cedidómia, Hoplocampa, Xiloborus, Antónomos, Cetónias, Pedrolho e Erinose - pragas secundária que se encontra a aumentar de importância e para a qual é necessário definir estimativa de risco e NEA;b) Trips (devido ao aumento de problemas com esta praga, identificação das espécies que estão a causar mais problemasc) Filoxera (Aphanostigma pyri (Chol.)) - necessidade de ajustamento da metodologia de monitorização, uma vez que esta praga tende a aparecer cada vez mais cedo nos pomares de pereira;Em termos de doenças destaca-se:a) Pear declining - Esta doença é causada por um fitoplasma transmitida pela psila quando esta se alimenta, sendo necessário o seu estudo nas nossas condições.A criação de um conjunto de POB´s nos quais sejam instalados vários dispositivos de monitorização, orientados para cada um dos problemas fitossanitários identificados, permitirá o estudo e validação dos ciclos destes inimigos e desta forma conseguir-se definir uma estratégia de controlo regional, com especial enfoque na luta biotécnica orientada para estes problemas


Objetivos visados:

Com esta parceria pretende-se definir com base na informação recolhida nos POB´s das entidades da produção parceiras deste GO, a estimativa do Risco e o NEA para a região Oeste, dos seguinte inimigos (Cedidómia , Hoplocampa, Trips, Filoxera, Xiloborus, Antónomos, Cetónias, pedrolho, Erinose e Pear declining), de forma a poder-se definir estratégias de controlo baseadas essencialmente na luta biotécnica, de forma a permitir um aumento da eficiência dos recursos utilizados no âmbito da proteção fitossanitária na produção sustentabilidade e competitividade das explorações hortofrutícolas.

Os principais objetivos a alcançar com este GO são:

- estudar os ciclos de vida das novas pragas e doenças emergentes e para as quais ainda não se encontram definidos metodologias de estimativa do risco e respetivos NEA;

- Ensaiar vários métodos de luta biotécnica e biológica, baseada essencialmente na captura em massa, confusão sexual, reguladores de crescimento, bioinsecticidas etc;

- validar modelos e desenvolver mapas de riscos para as principais pragas e doenças;

- criar uma plataforma com base nos dados recolhidos que possa gerar informação georreferenciada de âmbito regional, que possa ser facilmente divulgada e analisada pelos técnicos e agricultores através de vários meios (SMS, portal, boletins digitais) e que possa ser disponibilizada para a investigação e para os serviços oficiais, nomeadamente no que toca à exigências de dados de monitorização de determinadas pragas e doenças por países terceiros, podendo desta forma ajudar a exportação para esses países e abertura de novos mercado;

- fazer uso dos dispositivos móveis (smart phones) como meios para registo de ocorrências, obtendo vantagem da proximidade dos produtores no terreno, e das capacidades de georreferenciação e anexação de fotos, contribuindo assim para o rigor na documentação de pragas, doenças, etc.;

- fazer uso das capacidades dos sistemas de informação geográfica, para estender a utilização da plataforma a eventos públicos de divulgação e discussão, utilizando os mapas como base da comunicação, contribuindo assim para uma melhor disseminação do conhecimento;

- dimensionar a plataforma com capacidades físicas e lógicas para, a médio - longo prazo, integrar outras evoluções e inovações resultantes das necessidades dos produtores, das associações e/ou das entidades reguladoras (ex: análise de imagens de satélite).


Sumário do plano de ação:

Monitorização e estudo do ciclo de vida de inimigos emergentes na Região de forma a definir a estimativa do risco e o NEA com o objetivo de produzir informação para o seu controlo com base em estratégias alternativas á luta química.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.

Este GO foi apresentado no Agri-Innovation Summit 2017. O póster apresentado pode ser visto aqui.