Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • Inovação na Agricultura
  • S3
  • S5
  • S12
  • S11
  • S13
  • S6
  • S2
  • S7
  • S8
  • S14

+PrevCRP - Desenvolvimento de estratégias integradas para prevenção do Cancro-resinoso-do-pinheiro

Entidade líder do projeto: INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS, I.P
Responsável pelo projeto: Dina Ribeiro (dina.ribeiro@icnf.pt)
Site do projeto: http://www2.icnf.pt/portal/florestas/prag-doe/go
Área do plano de ação: Material Lenhoso
Parceiros:

ANSUB - ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES FLORESTAIS DO VALE DO SADO; APFC - ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES FLORESTAIS DO CONCELHO DE CORUCHE E LIMÍTROFES;  CENTRO PINUS - ASSOCIAÇÃO PARA A VALORIZAÇÃO DA FLORESTA DE PINHO; BIOCHEM IBÉRICA - QUÍMICOS AGRÍCOLAS E INDUSTRIAIS LDA; DGAV - DIRECÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E VETERINÁRIA; FLORGÉNESE - PRODUTOS E SERVIÇOS PARA A AGRICUTURA E FLORESTAS, LDA; GERMIPLANTA - VIVEIROS DE PLANTAS, LDA; INIAV - INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA I.P.; INSTITUTO PEDRO NUNES - ASSOCIAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA; ISA - INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA; POMBALVERDE - PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PLANTAS LDA; UTAD - UNIVERSIDADE DE TRÁS OS MONTES E ALTO DOURO; VIVEIROS DO FURADOURO, UNIPESSOAL LDA


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O fungo Fusarium circinatum Nirenberg&O’Donell, causador do cancro-resinoso-do pinheiro, pode causar mortalidade significativa em Pinus spp. e danos apreciáveis em Pseudotsuga menziesii, as suas espécies hospedeiras, sendo considerado, em muitos países, um dos mais importantes agentes bióticos nocivos que afeta plantas de viveiro e árvores adultas. Em Portugal, foi detetado em 2008 num viveiro florestal tendo, até junho de 2016, sido confirmada a sua presença em 15 fornecedores de materiais florestais de reprodução - MFR (plantas, sementes e partes de plantas), incluindo viveiros florestais e o Centro Nacional de Sementes Florestais - CENASEF. Foram destruídas cerca de 1,5 milhões de plantas hospedeiras (65% de pinheiro-bravo), tendo, em 2014 e 2015, ficado de quarentena 815 mil plantas. Em 2015, no CENASEF (único fornecedor nacional de semente de P. pinaster), foram destruídos 55,8 kg de semente de P. radiata, ficando de quarentena 2500 kg de semente de diversas espécies hospedeiras. Além do forte impacto económico sentido pelos fornecedores de MFR devido ao período de quarentena (2 anos) em que os MFR das espécies hospedeiras não podem circular, inviabilizando assim a sua comercialização como plantas florestais (devido à aplicação dos requisitos legais estabelecidos no Decreto-lei n.º 205/2003, de 13 de setembro, que limita a idade máxima de comercialização de plantas até 2 anos), poderá registar-se também um efeito negativo na disponibilidade de plantas hospedeiras a partir de 2016/17, que poderá implicar uma redução da área a arborizar nos próximos anos, em particular com pinheiro-bravo, contrariando alguns dos objetivos da Estratégia Nacional para as Florestas que visam inverter a tendência regressiva registada nos últimos anos das áreas desta espécie. Apesar do fungo se dispersar pelo ar, água ou insetos, a principal via de disseminação é a circulação de semente e plantas (incluindo contentores e substratos), em particular entre Estados-Membros. Neste contexto, face à principal via de dispersão do fungo, importa adotar medidas preventivas assentes em procedimentos que eliminem ou minimizem o risco de dispersão e que possam ser utilizados pelos fornecedores de MFR, criando assim a oportunidade de introduzir um novo processo no sistema de produção de plantas florestais atualmente praticado, recorrendo a métodos de tratamento eficazes e com baixo impacte ambiental, que eliminem o fungo, sem afetarem a germinação da semente ou o crescimento das plantas, ajustando-se às condições de produção dos viveiros nacionais.


Objetivos visados:

Com este projeto, pretende-se:

a) que os fornecedores nacionais de MFR implementem, em larga escala, estratégias sustentáveis de minimização do risco de dispersão do cancroresinoso-do-pinheiro, que não afetem de forma significativa a capacidade germinativa das sementes, nem a qualidade final das plantas produzidas. Estas estratégias de minimização do risco constituem um novo processo que vai integrar o sistema de produção de plantas florestais e integrarão: o tratamento de sementes hospedeiras; o tratamento de substratos; a desinfeção de contentores; a eliminação de propágulos do fungo da água de rega.

b) obter um novo produto - substratos sustentáveis, sem casca de pinheiro, obtidos a partir de materiais disponíveis localmente e que não sejam hospedeiros do fungo, representando por isso um menor risco de disseminação. Este novo produto concretizar-se-á através da oferta de um ou mais substratos, formulados a partir da combinação de diferentes matérias-primas (resíduos de cortiça, casca de folhosas, fibra de coco, entre outros), potenciando assim o aproveitamento de resíduos da indústria florestal e agro-industrial.

c) divulgar os resultados obtidos, particularmente junto de dois grupos focais distintos: i) todos os fornecedores de MFR, promovendo a integração dos tratamentos mais eficazes no respetivo “itinerário técnico”, ou seja, promover a sua aplicação como prática corrente na produção de plantas florestais e no processamento de sementes de espécies hospedeiras. ii) os técnicos dos gabinetes técnicos florestais (GTF) das câmaras municipais, não só por muitos municípios trabalharem também com espécies hospedeiras em contexto urbano e/ou ornamental, mas também porque, pela sua maior proximidade com a população em geral, podem ter um papel importante na sensibilização da população para a prevenção e controlo deste agente biótico nocivo. 

São ainda, objetivos específicos:

a) avaliar a eficácia dos métodos de tratamento de sementes na eliminação do fungo e o seu impacto na germinação das sementes, selecionando o(s) tratamento(s) mais eficaz(es);

b) avaliar a eficácia dos métodos de tratamento de substratos na eliminação do fungo e o seu impacto na germinação das sementes e na qualidade das plantas obtidas, selecionando o(s) tratamento(s) mais eficaz(es);

c) avaliar a eficácia dos métodos de desinfeção de contentores na eliminação do fungo e o seu impacto na germinação das sementes e na qualidade das plantas obtidas, selecionando o(s) método(s) mais eficaz(es);

d) avaliar a eficácia dos métodos de eliminação de propágulos do fungo na água de rega e o seu impacto na germinação das sementes e na qualidade das plantas obtidas, selecionando o(s) método(s) mais eficaz(es);

e) avaliar o desempenho de novos substratos, alternativos à casca de pinheiro, na qualidade das plantas obtidas;

f) aplicar os métodos (tratamento/desinfeção/eliminação) mais eficazes, ao nível dos fornecedores de MFR, avaliando a sua aplicabilidade e impacto na germinação das sementes e na qualidade das plantas a uma escala macro;

g) acompanhar o comportamento das plantas no campo (primeiro ano de plantação) após a aplicação dos tratamentos em viveiro; h) divulgar os resultados do projeto pelos grupos focais identificados e também pelos restantes agentes do setor; i) elaborar um Manual Técnico de medidas preventivas.


Sumário do plano de ação:

Com este projeto, pretende-se desenvolver estratégias integradas de tratamento de sementes hospedeiras, desinfeção de substratos, contentores e água de rega, que potenciem a eliminação do cancro-resinoso-do-pinheiro e minimizem o risco de dispersão, visando a sua implementação em larga escala pelos fornecedores de MFR. Estas estratégias de minimização do risco constituem um novo processo que vai integrar o sistema de produção de plantas florestais, visando também a obtenção de um novo produto - substratos sustentáveis, sem casca de pinheiro, obtidos a partir de materiais disponíveis localmente e que não sejam hospedeiros do fungo, representando por isso um menor risco de disseminação. Pretende-se ainda divulgar os resultados obtidos, particularmente junto de dois grupos focais distintos: todos os fornecedores de MFR e os técnicos dos gabinetes técnicos florestais (GTF) das câmaras municipais.


Pontos de situação / Resultados:

Cancro-resinoso-do pinheiro - trabalhos de experimentação já começaram

O Grupo Operacional +PrevCRP - Desenvolvimento de estratégias integradas para prevenção do cancro-resinoso-do-pinheiro iniciou já os seus trabalhos. Liderado pelo ICNF, I.P. e contando com 13 parceiros, este projeto que tem por foco o fungo que ataca principalmente espécies do género Pinus.

Visa atuar tanto ao nível das sementes como das plantas, para minimizar / eliminar o risco de dispersão daquele fungo, implementando metodologias eficazes para o seu controlo e com aplicação em larga escala, de modo a poderem ser utilizadas pelos fornecedores de MFR – Materiais Florestais de Reprodução no tratamento de sementes, substratos, contentores e água de rega.

O montante total de 447.842,94 € e duração de 48 meses (01/10/2017 a 30/09/2021).

O fungo Fusarium circinatum Nirenberg & O’Donell, causador do cancro-resinoso-do-pinheiro, pode causar mortalidade significativa em Pinus spp. e danos apreciáveis em Pseudotsuga menziesii, as suas espécies hospedeiras, sendo considerado, em muitos países, um dos mais importantes agentes bióticos nocivos que afeta plantas de viveiro e árvores adultas.

- Folhetos informativos - pretendem, de forma periódica, divulgar informação alusiva ao projeto:

            - Folheto informativo n.º 1, julho 2018 - apresenta, de forma sintética, as principais tarefas do projeto, os parceiros e as ações já desenvolvidas.

            - Folheto informativo n.º 2, março 2019 - trabalhos já efetuados.

- GO divulgado na RTP - Programa Biosfera (XVI) aos 9m e 35 s - Pragas e Agentes Patogénicos na Paisagem Florestal, 7 jul, 2018, episódio 27

90 Years Forest Research Institute - for the Society and Nature - poster “Development of integrated strategies for the prevention of pine pitch canker”. Livro de resumos, pg. 162 -163.

 Este GO foi apresentado no Agri-Innovation Summit 2017. O póster apresentado pode ser visto aqui.