Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S11
  • S13
  • Inovação na Agricultura
  • S6
  • S2
  • S12
  • S14
  • S8
  • S5
  • S3
  • S7

GOEfluentes - Efluentes de pecuária: abordagem estratégica à valorização agronómica/energética dos fluxos gerados na atividade agropecuária

Entidade líder do projeto: INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA IP
Responsável pelo projeto: Olga Moreira
Área do plano de ação: Suinicultura
Parceiros:

ALIRAÇÕES - RAÇÕES PARA ANIMAIS S.A.; ASSOC.PORTUGUESA CRIADORES RAÇA FRISIA; CAMPOAVES - AVES DO CAMPO SA; FED. PORTUG. ASSOC. SUINIC.; IACA - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS IND. DE ALIMENTOS COMPOSTOS P/ ANIMAIS; INGREDIENT ODYSSEY, LDA; INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA; LEAL & SOARES SA; TTERRA - ENGENHARIA E AMBIENTE LDA; UNIVERSIDADE DE ÉVORA; UNIVERSIDADE DE TRÁS OS MONTES E ALTO DOURO; VALORGADO - AGRICULTURA E PECUARIA, LDA


Prioridade do FEADER: P5C) facilitação do fornecimento e utilização de fontes de energia renováveis, de subprodutos, resíduos e desperdícios e de outras matérias-primas não alimentares para promover a bioeconomia;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção animal foi decisiva para a sustentabilidade dos sistemas agrícolas tradicionais não só pela utilização de alimentos que não competindo com a alimentação humana, são transformados em produto animal (carne ou leite), como também, pelo fornecimento de corretivos para o solo (estrumes) que reciclam cerca de 70% dos nutrientes que, não sendo digeridos, se perdem nos excreta. Porém, a intensificação destes sistemas, originou uma perda global de nutrientes a vários níveis: concorrência com a utilização de cereais para consumo humano, baixa eficiência digestiva por parte do animal, excesso de excreta e impacto ambiental negativo quando o maneio é inadequado ou quando se verifica uma descarga imprópria ou acidental de efluentes. Com elevadas concentrações de explorações em determinadas regiões, as limitações de áreas disponíveis para valorização dos resíduos na exploração são uma realidade.

Os conceitos de “economia circular” e “resíduo zero” estão na ordem do dia e assumem uma maior importância nos países Mediterrânicos pelas suas caraterísticas climáticas e geográficas: elevadas temperaturas durante o Verão com a previsão de um aumento médio por década de 0,5ºC; diminuição em cerca de 80% da precipitação e aumento da frequência das secas;erosão e lixiviação dos nutrientes dos solos; solos no sul da Europa com valores de matéria orgânica muito baixos e que se perde rapidamente, devendo a sua qualidade ser melhorada. A toda esta problemática, associa-se o peso da legislação imposta pela EU (Diretivas Nitratos, Água, Teto de Emissões,etc.). Considerando a importância económica, alimentar e ambiental do sector agropecuário e os desafios que este enfrenta, esta iniciativa conjunta envolvendo instituições relevantes do setor pretende criar oportunidades de implementação de soluções concretas para aumentar a eficiência da utilização de água e nutrientes, reduzir efeitos ambientais e valorizar o que até há pouco tempo era considerado desperdício


Objetivos visados:

Esta iniciativa visa uma abordagem de valorização de um recurso, focada nos diferentes interesses que convergem na produção e gestão adequada e integrada dos fluxos gerados nos sistemas agropecuários (sociais, políticos, económicos, técnicos e ambientais), assegurando o desenvolvimento sustentável, a nível regional/ nacional. Em todos os passos relacionados com a gestão destes fluxos (produção, recolha, armazenamento, valorização e reutilização nas condições locais), o objetivo da valorização não será apenas evitar a sua eliminação, mas também reduzir a exploração de recursos naturais, pela reciclagem. A identificação (pela definição de indicadores), quantificação e hierarquização de fluxos serão fundamentais, permitindo balanços de nutrientes a nível das explorações e consequente gestão sustentável.

Definem-se como objetivos específicos:

1. Desenvolvimento de uma metodologia para mapeamento da gestão dos fluxos gerados nos sistemas agropecuários, focada em informação descritiva, no desenvolvimento de relações entre os sistemas de produção e de gestão de efluentes e na legislações e constrangimentos à sua aplicação.

2. Desenvolvimento de uma visão geral sistemática da gestão dos fluxos gerados nos sistemas agropecuários, visando estabelecer um padrão de previsão do cenário de produção e caraterização, a longo prazo, dos ecossistemas e das atividades pecuárias, em regiões específicas.

3. Instalação de Unidades de Experimentação/ Demonstração que respondam a questões específicas de gestão/valorização de efluentes e ajudem os diferentes atores no cumprimento das imposições legais/normativos.

4. Contributo para o Inventário Nacional de Emissões com dados nacionais específicos: monitorização, comunicação e verificação das emissões (CH4, NH3, N2O).

5. Informação espacial, relativa aos sistemas de gestão de efluentes (armazenamento, tratamento, aplicação) necessárias para: sensibilização dos diferentes atores; estimativa precisa das emissões; benchmarking; identificação da região e de opções de mitigação específicas; abordagem uniforme em estudos de cenários.


Sumário do plano de ação:

Abordagem integrada, dos sistemas de intensivos de produção animal, que visará a redução e valorização dos fluxos gerados na atividade agropecuária, considerando-os como um recurso a incluir nas unidades de produção animal/agrícola e florestal.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.

Este GO foi apresentado no Agri-Innovation Summit 2017. O póster apresentado pode ser visto aqui.