Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S5
  • S3
  • S13
  • S8
  • S11
  • S7
  • S6
  • Inovação na Agricultura
  • S12
  • S2
  • S14

QUALITOMATE

Entidade líder do projeto: CCTI - ASSOC. PARA A INVEST., DESENV., E INOVAÇÃO NO SETOR
Responsável pelo projeto: João Silva
Área do plano de ação: Cultura de produtos hortícolas, raízes e tubérculos
Parceiros:

CENTRO OPERATIVO E TECNOLÓGICO HORTOFRUTÍCOLA NACIONAL; FED. NACIONAL DAS ORG. DE PROD. DE FRUTAS E HORTICOLAS - FNOP; FRUTO MAIOR, ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES HORTOFRUTICOLAS LDA; INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM; INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA; ITALAGRO-INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES, SA.; RELCAMPO, UNIPESSOAL LDA.; SOCIEDADE AGRÍCOLA ORTIGÃO COSTA, LDA; SOCIEDADE AGRO-PECUARIA DO VALE DA ADEGA S.A.; TOMATAZA - ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES DE HORTOFRUTÍCOLAS, S.A.


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A qualidade do concentrado de tomate pode ser afetada pela redução da área foliar e consequente impacto na produção de fotoassimilados. Os balanços das últimas campanhas têm demonstrado um crescente aumento da produção com valores record em 2015 de 1 740 171 t. Todavia, a qualidade do produto final, sobretudo o processado proveniente das colheitas de final de época, revelaram perda de qualidade por alteração de cor do fruto. Este facto alertou a fileira para o risco de comprometimento da valorização do produto no mercado externo. O concentrado de tomate produzido com base em matéria-prima nacional é muito valorizado, internacionalmente, precisamente pela qualidade, o que tem atribuído vantagem concorrencial nos mercados.

A qualidade do processado de tomate no final da campanha é afetado pela destruição de área foliar que se deve à natural senescência das plantas, mas também a constrangimentos técnicos relacionados com múltiplos fatores, entre os quais a dificuldade de combate de pragas com elevada incidência como mosca branca, ácaros e traça do tomateiro que contribuem para esta desfoliação. Esta incidência aumentou nos últimos anos, momento em que se começou a registar a designada “falta de cor”. Os ácaros devido às suas reduzidas dimensões são, muitas vezes, detetados tardiamente; a traça do tomateiro é praga chave da cultura de tomate e pode provocar prejuízos na ordem dos 100 % e a mosca branca devido à elevada capacidade reprodutiva, à produção de melada e consequente fumagina. Nos últimos anos, os encargos dos produtores aumentaram consideravelmente devido aos tratamentos que se efetuam para combater estas pragas. Por outro lado, o aumento do número de tratamentos com inseticidas tem impacto nos ecossistemas, pela contaminação do solo e água e perda de biodiversidade.

Face ao exposto urge desenvolver um novo produto de tomate fresco com elevada qualidade pelo nível de cor, superior a 2,5 (escala de cor), através da adequada seleção de variedades, práticas culturais ao nível da fertilização e tratamentos fitossanitários pela melhoria da estimativa do risco e tomada de decisão.


Objetivos visados:

Pretende-se com esta parceria garantir a qualidade do produto final em tomate horto-industrial e manter a credibilidade dos mercados internacionais relativamente ao tomate processado de origem portuguesa. Pretende-se desenvolver um novo produto de tomate fresco com elevada qualidade pelo nível de cor, superior a 2,5 (escala de cor), através da adequada seleção de variedades, práticas culturais ao nível da fertilização e tratamentos fitossanitários e pela melhoria da estimativa do risco e tomada de decisão. Pretende-se disponibilizar soluções e técnicas para aplicação fácil e estratégias inteligentes de com técnicas de avaliação do risco e ferramentas de decisão expeditas para diminuir os prejuízos.

Esta iniciativa visa a identificação das espécies causadoras de prejuízos, assim como das práticas responsáveis pelo aumento das populações e da sua dinâmica ao longo do ciclo da cultura, com especial destaque na fase final da campanha. Desta forma, através da análise e proposta de itinerários técnicos, apresentar-se-ão melhores estratégias de proteção e tomada de decisão que posicionem os tratamentos corretamente e de medidas a adotar no sentido da maior eficácia, assim como melhor e mais adequada seleção de variedades em termos genéticos e práticas culturais ao nível da fertilização. Estes aspetos aliados às características ecológicas do Vale do Tejo permitem potenciar os critérios de qualidade utilizados para a valorização do produto em fresco. Os beneficiários ficarão assim com ferramentas que permitem tomar decisões mais adequadas em função dos problemas identificados e contribuir para a melhoria da produtividade das plantas, a melhoria da proteção contra mosca branca, ácaros e traça do tomateiro e, em consequência a melhoria da eficiência no uso da água e promoção da sua qualidade através da utilização racional de pesticidas, bem como, contribuir para uma maior biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas e melhoria da produtividade e qualidade do produto final.


Sumário do plano de ação:

Portugal tem condições excecionais para a produção de tomate para indústria, tendo sido em 2015 o 7.º maior produtor a nível mundial e o 4.º a nível europeu. O aperfeiçoamento técnico dos produtores e o profissionalismo do setor contribuiu para um aumento de produção em 2015 que atingiu 1740171 t. Contudo, e apesar do concentrado de tomate produzido em Portugal ser considerado de elevada qualidade, o aumento de produção não se traduziu num aumento de qualidade, pelo contrário, as colheitas de final de campanha revelaram baixa qualidade, principalmente devido à “falta de cor” do produto final. Um dos aspetos apontados pela produção e indústria foi a elevada incidência de pragas como mosca branca, ácaros e traça do tomateiro no final da campanha, as quais reduzem a área foliar e comprometem a qualidade do produto final pela redução da área fotossintética e consequentemente dos fotoassimilados. Para fazer face a estas pragas e manter a qualidade do produto final, as contas de cultura aumentaram consideravelmente devido aos tratamentos efetuados. O recurso exagerado a produtos fitofarmacêuticos é responsável pela progressiva ineficácia, por desequilíbrios e prejuízos nos ecossistemas agrários com perda de biodiversidade e contaminação do solo e águas. A redução da incidência destas pragas contribuirá para conseguir manter a confiança dos mercados através da manutenção da qualidade do tomate processado português.

Pretende-se com este projeto garantir a qualidade do produto final em tomate horto industrial e manter a credibilidade dos mercados internacionais relativamente ao tomate processado de origem portuguesa, através da diminuição da incidência de pragas, como a mosca branca, ácaros e traça do tomateiro, que reduzem a área foliar. Pretende-se, assim, disponibilizar soluções e técnicas para aplicação fácil e estratégias inteligentes de proteção da cultura com técnicas de avaliação do risco e ferramentas de decisão expeditas para diminuir os prejuízos. Esta iniciativa visa a identificação das espécies causadoras de prejuízos, assim como das práticas responsáveis pelo aumento das populações e da sua dinâmica ao longo do ciclo da cultura, com especial destaque na fase final da campanha.

Desta forma, através da análise e proposta de itinerários técnicos, apresentar-se-ão melhores estratégias de proteção e tomada de decisão que posicionem os tratamentos corretamente de medidas a adotar no sentido da maior eficácia. Numa ótica de proteção integrada, será determinada a área foliar indispensável para manter a qualidade do produto final no final da campanha. Os beneficiários ficarão, assim com ferramentas que permitem tomar decisões, mais adequadas em função dos problemas identificados e contribuir para a melhoria da produtividade das plantas, a melhoria da proteção contra mosca branca, ácaros e traça do tomateiro e, em consequência a melhoria da eficiência no uso da água e promoção da sua qualidade através da utilização racional de pesticidas, bem como, contribuir para uma maior biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas e melhoria da produtividade e qualidade do produto final.


Pontos de situação / Resultados:

Decorreu uma sessão informativa a 2 de março às 9h30 no Cineteatro de Benavente.

Este GO foi apresentado no Agri-Innovation Summit 2017. O póster apresentado pode ser visto aqui.

Dia aberto Qualitomate dia 5 de junho, em Caneiras, Santarém. Ver programa Aqui

Os resultados deste GO foram apresentados no âmbito do "6º Open Day Tomate-Indústria" promovido pelo CCTI - Centro de Competências para o Tomate-Indústria e que se realizou na manhã do dia 26 de novembro, na sala de conferências do Museu do Vinho, Cartaxo.