Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S14
  • S5
  • S13
  • S2
  • S6
  • S11
  • S7
  • S12
  • S8
  • Inovação na Agricultura
  • S3

SILVPAST - Implementação custo-eficiente de mosaicos silvo-pastoris de carvalho negral

Entidade líder do projeto: TERRAPRIMA - SERVIÇOS AMBIENTAIS, SOCIEDADE UNIPESSOAL LDA
Responsável pelo projeto: Nuno Rodrigues
Site do projeto: https://www.terraprima.pt/pt/projecto/23
Área do plano de ação: Outras culturas permanentes
Parceiros:

APIS COMPANHIA AGRICOLA E PECUARIA S.A.; FACULDADE DE CIENCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA; MULTINATURA LDA; SOCIEDADE DE DESENVOLVIMENTO DA QUINTA DO COLMEAL; TRANSUMANCIA E NATUREZA - ASSOCIACAO; UNAC - UNIÃO DA FLORESTA MEDITERRÂNICA


Prioridade do FEADER: P5E) promoção da conservação e do sequestro de carbono na agricultura e na silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

O abandono da actividade agrícola e florestal, em áreas de baixa aptidão produtiva, constitui um desafio para a gestão da paisagem e para a sustentabilidade económica e social das regiões. Em regiões como a Beira Interior, os processos de sucessão secundária em áreas abandonadas podem constituir uma ameaça à sustentabilidade da paisagem, por aumento do risco de incêndio devido à expansão (não gerida) de matos. A falta de soluções custo-eficientes desencoraja a gestão activa e promove o absentismo, conduzindo a um regime de fogo mais frequente, que eventualmente se perpetua com a transição do coberto para matos, o que acarreta elevados custos socioeconómicos. Em contrapartida, processos de produção assentes na gestão da sucessão secundária podem oferecer uma oportunidade para criar novos mosaicos silvo-pastoris, criando uma matriz paisagística heterogénea, pela manutenção de zonas abertas e/ou de controlo de combustível através do pastoreio, e pelo restauro de bosques nativos, nomeadamente de carvalho-negral (Quercus pyrenaica), por regeneração natural. Quando implementados em escalas relevantes, os mosaicos silvo-pastoris melhoram a resiliência do território por via da multifuncionalidade e da redução do risco de fogos severos, o que resulta numa maior capacidade adaptativa das populações locais a alterações ambientais e socioeconómicas. Esta oportunidade é reforçada pelo potencial da gestão silvo-pastoril como uma solução custo-eficiente para conduzir os processos de sucessão secundária, e de criar de novos bosques a baixo custo. A regeneração natural de florestas em áreas abandonadas ou com baixa intervenção é menos dispendiosa do que a plantação e tendencialmente mais eficiente no restauro das funções e serviços dos ecossistemas e da biodiversidade, gerando benefícios ambientais para a sociedade que são passíveis de remuneração. No âmbito do Domínio temático 2.2 (Portaria 402/2015, 9 de Novembro), este Grupo Operacional (GO) propõe uma inovação de processo na produção silvo-pastoril em área de carvalho negral, assente num método de planeamento e gestão suportado por meios de detecção remota e gestão integrada dos diferentes usos produtivos e serviços ambientais.


Objetivos visados:

Os objectivos fundamentais são:Os objectivos fundamentais são:

a) Ensaiar um processo de produção custo-eficiente que viabilize a actividade silvo-pastoril e garanta a sua sustentabilidade a longo-termo.

b) Disponibilizar metodologias e ferramentas que permitam a replicação do processo proposto.

c) Suportar processos de decisão, a avaliação e o desenho de políticas agroambientais.

d) Promover o restauro de bosques de carvalho negral e da biodiversidade associada.

e) Desenvolver processos que contribuam para o controlo do risco de incêndio associado à acumulação (não gerida) de biomassa.

f) Reforçar a resiliência do território, a alterações ambientais e socioeconómicas, contribuindo para a capacidade adaptativa das populações locais.

Os objectivos visam dois níveis de actuação e de influência do GO SILVPAST. O nível da exploração florestal, em que os principais agentes são os proprietários e gestores florestais, incluindo associações, e o nível da gestão do território em que os principais agentes são os decisores políticos da esfera local à nacional. O modelo silvo-pastoril proposto, as ferramentas de planeamento e gestão que serão desenvolvidos, pretendem dar resposta a um problema que afecta os proprietários (e.g., a falta de alternativas de gestão custo-eficientes), mas também aumentar a viabilidade económica da actividade produtiva por via da multifuncionalidade, da maior resiliência, e dos menores custos de gestão. Apresentando-se portanto como uma oportunidade.

Ao nível da gestão do território, espera-se que a implementação de mosaicos silvo-pastoris se traduza em benefícios ambientais, pelo restauro da floresta nativa, numa redução do risco de incêndio, numa maior capacidade adaptativa das populações locais, pela manutenção de sistemas multifuncionais, e numa dinamização da economia local. O GO SILVPAST prestará suporte, pela disponibilização dos dados e do conhecimento gerado, à formulação de estratégias e políticas no âmbito da gestão do território.


Sumário do plano de ação:

Promover o desenvolvimento e sustentabilidade de mosaicos silvo-pastoris através de medidas que minimizem os custos de gestão pelo uso eficiente dos processos ecológicos de regeneração natural de bosques de carvalho negral e uso de herbivoria.


Pontos de situação / Resultados:

Trabalho desenvolvido:

As ações de publicitação ocorreram após a aprovação do projeto em junho de 2018. Em concreto:

1) o Grupo Operacional foi apresentado na sessão temática sobre Floresta na Agro Inovação 2018 – Cimeira Nacional de Inovação na Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (http://www.unac.pt/images/AGRI_CIMEIRA_-_GO_-_Floresta_SILVPAST_final.pdf).

2) o Grupo Operacional, os seus objetivos e resultados esperados, já se encontram publicitados no sítio web da UNAC (http://www.unac.pt/index.php/id-i/grupos-operacionais-accao-1-1-pdr2020/silvpast-implementacao-custo-eficiente-de-mosaicos-silvo-pastoris-de-carvalho-negral). Assim como no sítio web da Terraprima (https://www.terraprima.pt/pt/projecto/23)  

3)      A reunião anual do projeto foi publicitada nas redes sociais da Terraprima e da UNAC (https://www.facebook.com/search/top/?q=SILVPAST&epa=SEARCH_BOX), e no site da SDC (https://www.agrocolmeal.pt/)

Estão previstas, como descrito na memória descritiva, duas ações de disseminação no decorrer do projecto: as visitas, em outubro de 2019, às áreas piloto com sessão de apresentação do projeto e em maio de 2021 a conferência sobre mosaicos silvo-pastoris de carvalho negral.

No que diz respeito ao estado de execução do projeto, a maior parte das ações já estão em curso, nomeadamente:

Acção 1.1:  A análise de séries temporais de fotografia aérea está a decorrer, já foram realizados voos de drone, para diagnóstico e monitorização nas duas áreas piloto – Quinta da França e Middle Côa - e numa das área de transferência, na Herdade do Colmeal.

Acção 1.2:  Protocolos definidos e realizada pré-amostragem para preparação dos trabalhos de genotipagem.

Acção 1.3:  Análise de dados a decorrer paralelamente às acções 1.1 e 1.2

Acção 2.1: Avaliações de diagnóstico nas áreas piloto realizadas com zonamento das actividades de gestão e de uso do solo nas áreas de intervenção.

Acção 2.2: Herbívoros introduzidos em ambas as áreas, nas parcelas de bosque com pastoreio. Diagnóstico de áreas com aptidão para pastagem realizado numa das áreas piloto; instalação das pastagens adiada para 2019 em ambas as áreas.

Acção 2.3: Instalação de vedações numa das áreas piloto, para exclusão de pastoreio.

Acção 2.4 e 2.5: Dados de monitorização recolhidos para vários dos indicadores previstos, com recurso a monitorização in situ, voo de drone e recolha e processamento de dados de satélite.

Acção D.1: Estratégia de comunicação em preparação.

Acção D.2: Grupo Operacional está a ser divulgado nos sítios web.

Acção D.3: Apresentação do projeto na cimeira Agro Inovação 2018

Estando já finalizada a Ação 3.1 associada à criação do Conselho Consultivo.

Para 2019 prevê-se realizar as Ações 3.3, D.4 e D.5 e em 2020 a Ação 3.2.

De uma forma resumida, o atraso na emissão do parecer final da candidatura e respetiva emissão dos termos de aceitação, levou ao adiamento de algumas das atividades, nomeadamente atividades de divulgação e disseminação, e na realização de algumas das despesas previstas para o início do projeto, mas o plano de trabalhos tem sido cumprido na sua generalidade, de acordo com a memória descritiva.