Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S5
  • S11
  • Inovação na Agricultura
  • S12
  • S6
  • S2
  • S8
  • S13
  • S3
  • S14
  • S7

Estratégias de proteção fitossanitária para a produção sustentável da maçã

Entidade líder do projeto: ASSOCIAÇÃO DE FRUTICULTORES DO CONCELHO DE ARMAMAR
Responsável pelo projeto: José Carvalho
Área do plano de ação: Cultura de pomóideas e prunóideas
Parceiros:

AFUVOPA- ASSOCIAÇÃO DE FRUTI. VITI. E OLIVI. DO PLANALTO DE ANSIÃES; ASSOCIAÇÃO DE BENEFICIÁRIOS DO PERÍMETRO DE REGA DO TEMILOBOS; COOPERATIVA AGRÍCOLA DO CONCELHO DE ARMAMAR CRL; EUCLIDES ACACIO CORREIA; FRUTAS MARTA & SILVA, LDA; FRUTAS PLANALTO LDA; GOUVEIA E FONSECA LDA; INSTITUTO POLITECNICO DE BRAGANÇA; INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO; LUIS ANTONIO VEIGA; MALUS BEIRÃ - SOC. PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE FRUTAS BEIRA ALTA LDA; UNIVERSIDADE DE TRÁS OS MONTES E ALTO DOURO


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção de maçã nos concelhos de Armamar, Carrazeda de Ansiães, Moimenta da Beira e Lamego tem uma importância fundamental na sustentabilidade da economia da região. A área de produção é cerca de 3.500 ha. Todavia a fileira e particularmente os agricultores deparam-se com o aumento crescente dos preços dos fatores de produção e com a estagnação dos preços da maçã. Torna-se, por isso, imprescindível reduzir custos para que a atividade produtiva se mantenha e mesmo aumente. A falta de estratégias de proteção fitossanitária para a produção sustentável da maçã é um entrave tremendo para a rentabilidade dos agricultores. É também imprescindível para uma gestão mais racional da cultura um conhecimento rigoroso e atempado das condições meteorológicas o que não acontece nesta região/cultura pois não existe cobertura por parte do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas.

Neste momento efetuam-se algumas práticas que não são as economicamente nem tecnicamente mais recomendáveis, provocando gastos financeiros excessivos e impacto nefasto ao nível do ambiente e dos consumidores. O estudo e a adoção de outras práticas têm como consequência um menor gasto financeiro pelos agricultores, e uma melhor preservação do ambiente e melhoria do produto para o consumidor. Face ao exposto, pretende-se com esta operação criar 6 campos de ensaio (CE) localizados em distintas condições edafo-climáticas para assim adaptar as metodologias de prevenção e luta na sanidade da maçã preservando simultaneamente a qualidade e os valores de produção. As estratégias a implementar em relação a cada um dos inimigos (Pedrado da macieira, Bichado e Aranhiço Vermelho) basear-se-ão na utilização de métodos de amostragem expeditos e modelos já desenvolvidos que serão relacionados com os dados das Estações Meteorológicas Automáticas (EMA) e Postos de Observação Biológica (POB) a instalar em cada uma das situações edafo-climáticas distintas.

 


Objetivos visados:

O objetivo principal é a identificação e monitorização das principais pragas e doenças bem como dos auxiliares presentes e aferição do nível económico de ataque para as principais doenças e pragas da macieira, na região, visando reduzir o número de aplicações de produtos fitofarmacêuticos e privilegiar as práticas e métodos de prevenção alternativos mantendo elevados padrões de qualidade, boas características organoléticas, boa conservação e baixos níveis de resíduos de produtos fitofarmacêuticos nos frutos e preservação e fomento da fauna auxiliar.

Para cumprir este objetivo propõe-se:

- Acompanhar a evolução das doenças e pragas objeto deste trabalho;

- Emissão de alertas, para os agricultores sempre que os modelos de previsão e as condições para a ocorrência dos inimigos visados se verifiquem nos postos de observação (POBs e EMAs) com a recomendação das intervenções fitossanitárias, indicando as datas mais oportunas e os meios de luta mais aconselhados para o combate dos inimigos da macieira, levando a uma redução no número de tratamentos;

- Aferição dos níveis económicos de ataque para a região;

- Definição e aplicabilidade de práticas culturais e meios de luta alternativos para controlo dos inimigos da macieira;

- Criação de uma base de dados (climáticos e biológicos) disponíveis online, ficando disponíveis não só para os técnicos mas também para os agricultores;

- Aumento da formação dos agricultores pela transferência de conhecimentos e das técnicas desenvolvidas, na presente proposta.


Sumário do plano de ação:

Pretende-se contribuir para o incremento da qualidade, competitividade económica do setor e sustentabilidade, através da correta avaliação do risco de pragas e doenças e subsequente tomada de decisão.


Pontos de situação / Resultados:

O ano inicial foi preparatório, sendo definidos os campos de ensaio e instaladas as EMAS para posterior avaliação de dados.

Todos os parceiros foram envolvidos na escolha dos campos, sedo localizados em locais geograficamente distintos (Armamar, Moimenta da Beira e Carrazeda de Ansiães).

Durante o ano de 2018 foram efectuadas observações ao nível de Pedrado,Bichado e Aranhiço vermelho, sendo estes monitorizados semanalmente.

Para dar a conhecer o projeto foram efetuadas algumas ações de divulgação:

- Participação na Cimeira Nacional de Inovação, Oeiras, 29 de Outubro 2018;

- Summer Innov Activ Campus, UTAD, 26 e 27 Setembro 2018;

- 4º Simpósio Nacional de Fruticultura, Faro, 29 a 30 de Novembro de 2018:

- Balanço Nacional das Pomoideas (Cothn), Alcobaça, 12 de Dezembro 2018;

- Cimeira Nacional de Inovação na Agricultura.