Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S7
  • Inovação na Agricultura
  • S13
  • S12
  • S8
  • S2
  • S14
  • S5
  • S3
  • S11
  • S6

LegForBov - Alimentos alternativos na produção de carne de bovino

Entidade líder do projeto: INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA IP
Responsável pelo projeto: José Santos Silva
Área do plano de ação: Bovinicultura
Parceiros:

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES AGRÍCOLAS DA ELIPEC; CENTRO DE BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA E AGRO ALIMENTAR DO ALENTEJO; ELIPEC - AGRUPAMENTO DE PRODUTORES DE PECUÁRIA S.A.; FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA; FERTIPRADO SEMENTES E NUTRIENTES, LDA.


Prioridade do FEADER: P5E) promoção da conservação e do sequestro de carbono na agricultura e na silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Portugal apresenta um deficit comercial importante nos cereais e bagaços de oleaginosas, que são os principais componentes dos alimentos compostos utilizados na produção pecuária. Encontrar alternativas a estas matérias-primas contribui para equilibrar a balança comercial, melhorar a utilização dos recursos endógenos e a sustentabilidade dos sistemas de produção animal.
Em 2014 o grau de autoaprovisionamento da carne de bovino nacional foi inferior a 50 % e o deficit comercial foi superior a 350 M€.
A maior concentração de vacas aleitantes está no Alentejo, e aumentou nos últimos anos. A produção de carne é maioritariamente proveniente de animais cruzados, nascidos de vacas cruzadas ou de vacas puras das raças autóctones (Alentejana, Mertolenga e Preta). Os vitelos são submetidos a um período de crescimento e engorda antes do abate com forte incorporação de alimentos compostos nas dietas e são abatidos com pesos e idades variáveis, originando dois produtos principais, o vitelão (abate com idades inferiores a 12 meses) e o novilho (abate entre os 12 e os 24 meses idade).
A utilização de forragens ricas em leguminosas, com variedades bem adaptadas a muitas situações ambientais de Portugal, de elevado valor alimentar, nas dietas para ruminantes, nomeadamente as e com elevado teor em proteína e de elevada digestibilidade, poderá ser uma forma de reduzir a quantidade de alimentos concentrados proteicos. Por outro lado, a valorização e incorporação de subprodutos das agroindústrias, como as polpas desidratadas de beterraba e de citrinos ou a casca de soja, poderá ser uma forma de reduzir a incorporação de cereais nas dietas destes animais.
O Grupo Operacional tem como objetivo testar dietas não convencionais no crescimento e engorda de vitelões, promovendo a utilização de forragens de alto valor alimentar e de subprodutos agroindustriais, cuja utilização permitirá reduzir os custos de produção contribuindo assim para a sustentabilidade e competitividade deste setor.


Objetivos visados:

A.
Caracterizar o potencial produtivo de 3 misturas forrageiras biodiversas comerciais para a produção de forragens de outono/inverno produzidas na região Alentejo. Serão considerados 2 ciclos de produção, em condições semelhantes às de produção comercial.
Avaliar a ingestibilidade, a composição química e o valor nutricional (digestibilidade aparente, degradabilidade ruminal, e digestibilidade intestinal da proteína) das fenosilagens obtidas das forragens referidas. Neste estudo serão testados os efeitos da fase do corte e do tamanho do troço na qualidade da fenosilagens, procurando encontrar a situação mais favorável para cada um dos casos;
B.
Formular dietas completas utilizando alimentos compostos que complementem as fenosilagens das três misturas forrageiras biodiversas comerciais, por forma a obter dietas completas para novilhos em crescimento, utilizando fontes energéticas alternativas aos cereais e recorrendo á suplementação com lípidos polinsaturados para promover a deposição de ácidos gordos bioativos.
C.
Estudar diversos modelos de produção com base nas dietas formuladas em B, identificando os fatores que podem determinar os resultados finais. Serão utilizados vitelos cruzados (Charolês x Alentejano ou Limousine x Alentejano) desmamados aos 6 meses e com o objetivo de abate aos 10/14 meses de idade. Será avaliada a eficiência produtiva das diferentes dietas alternativas, comparativamente a uma dieta controle (alimento composto à base de cereais e palha ad libitum) e outros efeitos como a relação concentrado/grosseiro e o nível de suplementação com óleo
D.
Avaliar os efeitos das dietas experimentais na qualidade das carcaças produzidas;
E.
Avaliar os efeitos das dietas experimentais na qualidade da carne e na composição lípica e valor nutricional da gordura intramuscular;
F.
Avaliar os efeitos das dietas experimentais no poder antioxidante da carne e avaliação do impacto do tempo de maturação na qualidade sensorial;
G.
Obter indicadores técnicos e económicos das várias soluções para a produção dos vitelos.


Sumário do plano de ação:

Melhorar a sustentabilidade da engorda de novilhos pela utilização de forragens de alto valor alimentar e de subprodutos industriais como substitutos dos cereais nos alimentos compostos.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.