Inovação para a Agricultura

pten
Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube
  • S7
  • S3
  • S6
  • S2
  • S12
  • S5
  • Inovação na Agricultura
  • S8
  • S11
  • S13
  • S14

STEnCIL - SusTentável EfiCIente Lablab

Entidade líder do projeto: INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA
Responsável pelo projeto: Patrícia Vidigal
Site do projeto: https://stencilablab.wixsite.com/stencil
Área do plano de ação: Cultura de leguminosas secas e sementes oleaginosas
Parceiros:

BENAGRO - COOPERATIVA AGRÍCOLA DE BENAVENTE, CRL; CCTI - ASSOC. PARA A INVEST., DESENV., E INOVAÇÃO NO SETOR; ISABEL MARIA DOS SANTOS GUIOMAR; SOCIEDADE AGRÍCOLA ORTIGÃO COSTA, LDA; SOCIEDADE AGRO-PECUARIA DO VALE DA ADEGA S.A.; SOLUZER - SOCIEDADE AGRICOLA, LDA; TPRO - TECHNOLOGIES, LDA;


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

Face aos desafios relacionados com a sustentabilidade agrícola e alimentar, pretende-se com esta iniciativa, promover a prática agrícola da leguminosa Lablab purpureus (feijão cutelinho) de forma a restaurar e preservar os recursos naturais existentes, melhorando a capacidade produtiva das culturas, reduzir a emissão de Gases de Efeito de Estufa (GEE), por diminuição do uso de adubos azotados e de outros fatores de produção.

Assim STEnCIL aborda 7 questões essenciais associadas à rentabilização e sustentabilidade da produção agrícola e da cadeia alimentar, dando resposta a problemáticas tanto nacionais como internacionais:

(1) Sustentabilidade do recurso solo;

(2) Sustentabilidade do recurso água;

(3) Adaptação às alterações climáticas;

(4) Redução da emissão de GEE;

(5) Produção de um produto para alimentação humana e animal sustentável;

(6) Fortalecer o regime nacional de certificação ambiental para as explorações especializadas no tomate para indústria;

(7) Rentabilidade dos terrenos marginais.

As características multifuncionais do feijão cutelinho referidas mais à frente, aliadas às tecnologias agrícolas inovadoras possibilitarão aos agricultores e aos consumidores, benefícios para a produção e saúde, respetivamente.


Objetivos visados:

STEnCIL compreende 3 objetivos principais:

> Objetivo 1: Determinar as melhores variedades de feijão cutelinho de acordo com os objetivos de produção: a) Grão/vagem b) Forragem c) Adubo verde.

> Objetivo 2: Determinar as melhores práticas culturais (fatores de produção, mobilizações, colheita) segundo os objetivos de produção.

> Objetivo 3: Avaliação da produtividade do feijão cutelinho no âmbito socioeconómico segundo os objetivos de produção e os potenciais destinatários.

A determinação das melhores variedades de feijão cutelinho permitirá obter uma produtividade competitiva, por pré-seleção da variedade mais adequada ao objetivo de produção do agricultor. A imposição das práticas de greening standard e/ou da prática equivalente de greening (cobertura do solo durante o período de outono-inverno nas terras aráveis da exploração) obrigará à procura de soluções rentáveis, abrindo um potencial de "experimentação comparativa" face às rentabilidades do feijão cutelinho. Por outro lado, produtores de culturas de elevado valor económico como o tomate de indústria, poderão produzir o de feijão cutelinho para adubo verde, com o objetivo de melhorar a fertilidade e estrutura do solo para beneficiação da sua cultura principal. Cumulativamente, a produção animal terá uma nova forrageira de grande potencial. Agricultores de regiões com menor desenvolvimento e/ou com terrenos negligenciados, poderão usufruir do impacto positivo na reabilitação do sistema, obtendo ao mesmo tempo um rendimento extra.


Sumário do plano de ação:

A proposta STEnCIL - SusTentável EfiCIente Lablab, foca-se na promoção da Lablab purpureus (feijão cutelinho), como prática produtiva no âmbito PDR 2020 para o aumento da eficiência dos recursos na produção agrícola.


Pontos de situação / Resultados:

Informação técnica sobre a cultura do feijão cutelinho está disponível no website do projeto STEnCIL - aqui

A última newsletter do projeto STEnCIL já está disponível aqui

Maio 2021 - Foram apresentados os resultados do projeto STEnCIL na conferência Internacional Agri-Food Ecosystems 2021, realizada em Santarém nos dias 26 e 27 de maio 2021. – aqui

Maio 2020 - Os resultados do projeto STEnCIL, comprovaram que o feijão cutelinho é uma planta melhoradora das características do solo assim como da sua fertilidade, o que levantou a questão da sua utilidade para reabilitar solos. Este trabalho foi apresentado na conferência internacional vEGU2020 nos dias 4-8 maio 2020. - aqui

Janeiro 2020 - Os resultados do projeto STEnCIL foram apresentados no 9º Open Day realizado no Cartaxo organizado pelo CCTI, no dia 28 janeiro 2020. - aqui

Outubro 2019 - Os resultados obtidos no projeto STEnCIL, suscitaram o interesse da comunidade científica da Universidade Lusófona, e convidaram a investigadora Patrícia Vidigal do Instituto Superior de Agronomia para realizar uma aula aberta no dia 16 outubro de 2019 intitulada “The role of forgotten crops towards agricultural sustainability and food security in a changing climate” em que a cultura em estudo do projeto STEnCIL foi usada como caso de estudo. Nesse âmbito o projeto STEnCIL foi apresentado e como os seus resultados poderão responder aos desafios que os produtores enfrentam face as alterações climáticas. - aqui

Outubro e Setembro 2019 – A aplicação de agroquímicos em excesso conduz a contaminação dos solos com elementos potencialmente tóxicos o que resulta na expansão de terrenos marginais inadequados à prática agrícola. Foi demonstrado que o feijão cutelinho do projeto STEnCIL poderá ser uma cultura recuperadora de solos marginais, oferecendo ao mesmo tempo produção de matéria verde para consumo animal e para melhoria das características desses solos. Estes resultados foram apresentados no congresso nacional - CIG2019 - realizado em setembro de 2019 em Évora, e num congresso internacional – AGROSYM 2019 – realizado em outubro 2019 na Bósnia e Herzegovina. - aqui

Setembro 2019 – Com o intuito de dar a conhecer o STEnCIL e a cultura do feijão cutelinho ao consumidor, o CCTI apresentou o projeto STEnCIL no “Brunch Brunch Electronik -In the Park Lisboa” em setembro 2019. - aqui

Agosto 2019 - O projeto STEnCIL serviu de mote para o simpósio - Role of agriculture in the climate change era for achieving the Sustainable Development Goals – no congresso internacional 15th European Ecological Federation Congress – 15th EEF 2019, realizado na Faculdade de Ciências de Lisboa em agosto de 2019. A investigadora Patrícia Vidigal do Instituto Superior de Agronomia apresentou os resultados do STEnCIL na apresentação oral “ Exploring the potential of multipurpose crops towards soil conservation and sustainable production to face climate challenges”. - aqui

Junho 2019 – O projeto STEnCIL foi um dos apresentados pelo CCTI na Feira Nacional da Agricultura de 2019. - aqui

Dezembro 2018 - Através da análise completa do perfil de ácidos gordos de seis variedades de feijão cutelinho em teste no projeto STEnCIL, foi encontrado um método pioneiro para avaliação da diversidade genética. Para mais informações clique no link para ler o estudo publicado em uma revista internacional. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S098194281830439X

Novembro 2018 - A cultura em estudo no projeto STEnCIL, o feijão cutelinho, serviu de exemplo como uma cultura resiliente face às alterações climáticas que os nossos produtores enfrentam. Os resultados do projeto foram apresentados como um caso de estudo de sucesso neste âmbito, numa aula aberta da Faculdade de Ciências em novembro de 2018. - aqui

Têm sido testadas várias variedades de feijão cutelinho. Independentemente das variedades, esta leguminosa destaca-se como uma cultura ideal para produção de forragem e para a reabilitação de terras marginais. Durante todos os ensaios, as variedades em estudo revelaram elevada tolerância á seca e quando incorporadas como adubo verde, resultaram num aumento de 45% de N ao solo.

Os resultados deste GO foram apresentados no âmbito do "6º Open Day Tomate-Indústria" promovido pelo CCTI - Centro de Competências para o Tomate-Indústria e que se realizou na manhã do dia 26 de novembro, na sala de conferências do Museu do Vinho, Cartaxo. 

Comunicado de imprensa sobre o projeto no âmbito do primeiro dia mundial das leguminosas.