Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S11
  • S3
  • Inovação na Agricultura
  • S13
  • S7
  • S2
  • S12
  • S14
  • S6
  • S8
  • S5

WineClimAdapt - Seleção e valorização das castas mais bem adaptadas a cenários de alterações climáticas

Entidade líder do projeto: INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA IP
Responsável pelo projeto: José Silvestre
Área do plano de ação: Viticultura
Parceiros:

ESPORÃO, S.A.; FACULDADE DE CIENCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA; VITICERT - ASS. NAC. DE VIVEIRISTAS VITICOLAS PROD. DE MAT. CERTIFICADO; VIVEIROS PLANSEL-PLANTAS SELECCIONADAS,LDA;


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A produção vinícola no Sul da Europa (e em Portugal) é sem dúvida um motor económico importante desta região. Esta é também uma das regiões do mundo onde as alterações climáticas (AC) serão mais pronunciadas, encontrando-se as castas em cultura muito próximas dos seus limites climáticos, sendo a região do Alentejo um bom exemplo desta situação. Assim, é crucial tirar partido da principal ferramenta de adaptação da vitivinicultura às AC: a variabilidade genética, avaliando a adaptabilidade das castas. Este estudo é decisivo para aumentar a nossa capacidade preditiva e competitiva, de modo a antever o impacto das AC, avaliando de um modo holístico a performance de 189 castas a climas futuros. Contudo, a caracterização do comportamento fisiológico e enológico das castas sob diferentes climas não só é escassa como a que está disponível refere-se a um grupo restrito em ambientes específicos.

Este GO (WineClimAdapt) pretende ultrapassar este estrangulamento usando ferramentas recentes e inovadoras sobretudo em ensaios em dois campos ampelográficos com situações climáticas extremas, de modo a obter um conhecimento profundo do comportamento ecofisiológico, fenológico e agronómico, os quais são cruciais para aumentar a nossa capacidade para prever a performance das castas em climas futuros. Posteriormente e após seleção das castas melhor adaptadas do ponto de vista vitícola, será avaliado o potencial enológico, com ênfase nas componentes fenólica e aromática, dado que será nestes metabolitos secundários que os efeitos das alterações climáticas mais se farão sentir, bem como em marcadores da qualidade do vinho associáveis às castas. Utilizando estas metodologias, WineClimAdapt selecionará as castas mais bem adaptadas às condições climáticas previstas para as próximas décadas, garantindo a sustentabilidade futura do setor nas regiões mais afetadas, como é o caso do interior e Sul de Portugal.  


Objetivos visados:

Com este GO pretende-se:

(1) elaborar um ranking de adaptabilidade das 189 castas em estudo e

(2) quantificar o potencial agronómico e potencial enológico das castas mais bem adaptadas aos cenários futuros de alterações climáticas.

Para atingir o ponto 1 é necessário:

1.1 Analisar a dinâmica fenológica de 189 variedades submetidas a condições ambientais e hídricas extremas, de modo a avaliar a influência destas variáveis no timing e duração das fenofases, identificando as castas mais adequadas às condições das próximas décadas, bem como validar modelos de desenvolvimento da cultura (Cropsyst, STICS) que permitam prever as componentes da produção (produção/ha, teor alcoólico) das castas em estudo;

1.2 Quantificar a resistência aos stresses térmico e hídrico e desenvolver um processo para a avaliação da eficiência do uso da água ao nível da planta (WUEtoolkit). Para separar o efeito do stress térmico do hídrico, no CAHE serão colocados, para cada casta em estudo, pequenas parcelas em conforto hídrico. O WUEtoolkit será aplicado a diferentes escalas temporais (dias, período de maturação e ciclo vegetativo) e permitirá avaliar a resposta das variedades a condições ambientais mais severas e a vagas de calor;

1.3. Estabelecer associações entre características metabólicas e moleculares das castas e as suas respostas às condições ambientais, de forma a identificar os marcadores de tolerância à secura e ao calor.

Para atingir o ponto 2 é necessário:

2.1 Quantificar a influência da temperatura e das vagas de calor no metabolismo dos açúcares e compostos fenólicos ao longo da maturação;

2.2 Avaliar a influência da componente ambiental nos metabolitos principais (açúcar, acidez total) e secundários (composição fenólica, percursores do aroma) à vindima;

2.3 Fornecer dados para o estabelecimento de associações entre características metabólicas e moleculares das castas e a qualidade dos respetivos vinhos monovarietais de forma identificar os marcadores da qualidade dos vinhos associáveis à casta;

2.4 Avaliar as características enológicas e perfil sensorial dos vinhos em função da tipicidade pretendida para uma dada região.


Sumário do plano de ação:

Sendo a interação entre clima e castas complexa e sendo o conhecimento sobre a adaptabilidade das castas a medida de adaptação mais importante a médio e longo prazo, o contributo do WineClimAdapt será produzir conhecimento sobre a estrutura global e adequabilidade das castas, conhecimento esse que atualmente é muito reduzido. Trabalhando em dois campos ampelográficos em condições ambientais e hídricas extremas e contrastantes, este GO irá elaborar um ranking de adaptabilidade de 189 castas recorrendo a processos inovadores como a análise de isótopos estáveis ao nível do floema e do bago e a imagens térmicas aéreas, bem como à análise da dinâmica fenológica.

Posteriormente WineClimAdapt irá quantificar o potencial agronómico e potencial enológico das castas mais bem adaptadas aos cenários futuros de alterações climáticas. Para tal serão avaliadas a influência da componente ambiental nos metabolitos principais (açúcar, acidez total) e secundários (composição fenólica, percursores do aroma) à vindima, a influência da temperatura e das vagas de calor no metabolismo dos açúcares e compostos fenólicos ao longo da maturação e, as características enológicas e perfil sensorial dos vinhos em função da tipicidade pretendida para uma dada região. Paralelamente Desta forma, será possível maximizar a capacidade adaptativa e reduzir a vulnerabilidade às Alterações Climáticas identificando não só os impactos esperados mas também as oportunidades para o setor vitivinícola.


Pontos de situação / Resultados:

Em início de atividade.