Inovação para a Agricultura

Rede Rural Nacional - Página do FacebookRede Rural Nacional - Página do TwitterRede Rural Nacional - Página do InstagramRede Rural Nacional - Canal do Youtube
PT EN
  • S3
  • S5
  • S7
  • S12
  • S6
  • S2
  • S14
  • S13
  • S11
  • S8
  • Inovação na Agricultura

PrunusFito

Entidade líder do projeto: APPIZÊZERE - ASSOCIAÇÃO DE PROTECÇÃO INTEGRADA E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL
Responsável pelo projeto: Appizêzere (appizezerefundao@gmail.com)
Site do projeto: https://prunusfito.webnode.pt/
Área do plano de ação: Cultura de pomóideas e prunóideas
Parceiros:

AAPIM - ASSOC. DE AGRICULTORES P/PRODUÇÃO INTEGRADA FRUTOS DE MONTANHA; CENTRO OPERATIVO E TECNOLÓGICO HORTOFRUTÍCOLA NACIONAL; FACULDADE DE CIENCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA; GONÇALO FILIPE RODRIGUES BATISTA; INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO; JOAQUIM MARTINS DUARTE & FILHOS LDA; SOCIEDADE AGRICOLA DA QUINTA DE LAMACAIS, LDA;


Prioridade do FEADER: P4) Restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas ligados à agricultura e à silvicultura;
Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A Beira Interior é uma zona de produção por excelência de prunoideas, principalmente cereja e pêssego, sendo a região com maior área ocupada por estas culturas e maior produção a nível nacional. Sendo culturas já bem enraizadas no contexto regional e havendo uma enorme tradição no seu cultivo, têm vindo a ser alvo de problemas fitossanitários emergentes na região e de agravamento de outros e que têm sido responsáveis por elevadas perdas nos pomares da região: Drosophila suzukii surgiu em pomares de cerejeiras da região no ano de 2013, contudo foi em 2015 que a sua presença foi mais notada, tendo ocasionado estragos importantes nalgumas cultivares e em diferentes parcelas. Com uma expressiva incidência nos pessegueiros, principalmente em novas plantações, têm surgido importantes cancros parasitários, provocados por uma bactéria (Pseudomonas syringae) e/ou fungo (Valsa sp.), com maior ou menor extensão e que têm levado à morte de parte das plantas ou à totalidade das mesmas, registando-se avultados prejuízos nas parcelas onde as doenças estão sinalizadas. A mosca do mediterrâneo (Ceratitis capitata) é um inimigo identificado na região há já bastantes anos, mas tem sido um problema crescente, afetando grande parte das cultivares com colheita a partir de meados de Julho, atingindo maiores proporções na região a sul da serra da Gardunha. Os ratos são atualmente, à semelhança da mosca do mediterrâneo, um problema que tem vindo a atingir proporções consideráveis e são responsáveis por elevados prejuízos nos pomares de prunoideas desta região, com especial relevância em pessegueiros, fazendo destes, um dos inimigos potenciais para a cultura e que rapidamente atingirá posição de inimigo-chave.  


Objetivos visados:

Tendo em conta que serão abordados cinco diferentes e importantes problemas fitossanitários, a descrição é feita separadamente, de modo identificar os objetivos para cada um deles:

Cancros:

- monitorizar a(s) doença(s);

- avaliar as condições edafoclimáticas locais, verificando se existe algum padrão de dispersão da(s) doença(s) e monitorizar essa dispersão na região;

- observar as relações entre as condições dos locais, as cultivares e a incidência dos cancros, identificando práticas culturais que diminuam a probabilidade da sua instalação; estabelecer um plano de atuação regional que vise a manutenção da sanidade dos pomares e o aumento da produtividade pela diminuição de perdas de plantas;

Drosophila suzukii e Ceratitis capitata:

- desenvolver e/ou aplicar em campo métodos de monitorização das populações destas moscas aferindo a sua exequibilidade face às condições da região;

- identificar fatores de risco;

- identificar iscos e armadilhas mais eficazes para monitorização ou para captura em massa; definir estratégias preventivas de proteção, avaliar a eficácia de meios de proteção inovadores e a conjugação de medidas (preventivas e químicas) na limitação da proliferação das pragas;

- identificar, das soluções químicas homologadas, as mais eficazes no controlo das moscas e a melhor oportunidade de tratamento, face às limitações de uso

Cigarrinha-verde:

- confirmar a(s) espécie(s) presentes, associando-as aos estragos observados;

- monitorizar o ciclo de vida da praga;

- avaliar, em três datas, o efeito da data da poda em verde em pessegueiros, na sua suscetibilidade à praga;

- sensibilizar os produtores para a importância da instalação precoce de armadilhas para monitorização seguindo uma abordagem preventiva no controlo da praga.

Ratos:

- identificar/monitorizar a praga;

- avaliar as condições dos pomares e a sua envolvência, verificando se existe um padrão de dispersão e monitorização dessa dispersão;

- observar as relações entre essas condições e a incidência da morte de plantas por ataque de ratos, definindo as práticas culturais que limitam a sua instalação e progressão;

- estabelecer um plano de atuação que vise a sanidade dos pomares e o aumento da sua produtividade.


Sumário do plano de ação:

Avaliação do impacto de alguns inimigos (pragas e doenças) nas culturas das prunóideas na região da Beira Interior e avaliação da eficácia de diferentes meios de luta no controlo das mesmas.


Pontos de situação / Resultados:

Ponto de situação à data de novembro de 2020:

  • Relativamente ao cancro foram realizadas observações em plantas sintomáticas de 2018 a 2020 e foi recolhido material vegetal do qual foi isolado presuntivamente, Pseudomonas syringae e os isolados bacterianos foram processados através do sistema de identificação Biolog. Todas as bactérias, com identificação presuntiva de Pseudomonas syringae se confirmaram pertencer ao complexo P. syringae. O sistema de identificação Biolog não se mostrou apto para a identificação ao nível intraespecífico e consequentemente será posteriormente realizado um estudo taxonómico com base no perfil bioquímico gerado pelo Biolog.
  • No que respeita à mosca do mediterrâneo, os trabalhos desenvolvidos de 2018 a 2020 consistiram no acompanhamento dos voos da praga em 2 locais da Beira Interior, a sul e a norte da Gardunha respetivamente. Foram instalados e acompanhados 2 ensaios de captura em massa com utilização das armadilhas com atrativo seco da Bayer (DecisTrap) e armadilhas com atrativo líquido da empresa Bioibérica (CeraTrap), em parcelas distintas. Os resultados indicam níveis populacionais com valores mais elevados na zona a sul da Gardunha. A captura em massa na parcela a norte revelou-se suficiente por si só, enquanto a sul todos os anos houve necessidade de complementar com luta química.
  • A cigarrinha verde foi sinalizada como emergente nos pessegueiros na região, onde tem aparecido com frequência e causado estragos em plantas jovens. A monitorização decorreu em 2 pomares na zona sul da Gardunha. Em 2018 foram colocadas e recolhidas semanalmente, 4 armadilhas cromotrópicas amarelas/pomar, de abril a setembro. Em 2019 e 2020 aumentou-se para 6 armadilhas/pomar e alargou-se o período até outubro. Os resultados indicam níveis populacionais muito elevados e que a poda em verde pode potenciar os ataques, pois em 2018 e 2019, após esta operação, os novos rebentos não se desenvolveram e apresentavam sintomas dos ataques destes insetos.
  • No que diz respeito ao rato-cego, em pomares de pessegueiro foram realizados censos de densidade relativa da espécie nos períodos de primavera e de outono com o objetivo de relacionar a densidade relativa com os indicadores de presença e com os estragos causados. Os resultados indicam diferentes densidades relativas e diferentes níveis de estragos em diferentes pomares. 
  • Os trabalhos sobre Drosophila suzukii, de 2018 a 2020, consistiram na monitorização da espécie em 3 pomares de cerejeira (Soalheira, Alcongosta e Vale Formoso) e um pomar de mirtilo (Ferro). De abril a julho foram colocadas 3 armadilhas/local com diferentes atrativos alimentares – vinagre de cidra, atrativo “composto de vinagre” da empresa Mendes Gonçalves, SA e atrativo “Suzukii Trap”, da empresa Bioibérica. Em 2019 e 2020 fez-se a monitorização durante todo o ano, para estudar a flutuação populacional e instalou-se um ensaio de cinco atrativos alimentares, em cerejeira. Os resultados indicam comportamento diferencial dos atrativos alimentares usados. Estes trabalhos permitem conhecer melhor o comportamento da espécie na cultura da cerejeira na Beira Interior, aspeto essencial para a definição de melhores estratégias de proteção.

Após o tratamento dos dados, os resultados serão reportados e devidamente divulgados.