Inovação para a Agricultura

FacebookTwitterGoogle BookmarksRSS Feed
PT EN
  • S11
  • S6
  • S12
  • S3
  • S13
  • S5
  • S14
  • S7
  • Inovação na Agricultura
  • S8
  • S2

 Projetos de Bioeconomia

Pesquisar projectos

Fonte de financiamento

BioCombus II - Desenvolvimento e produção de protótipo à escala industrial de equipamento para produção de biocombustível sólido (pellets) a partir de resíduos da indústria do azeite.

Entidade líder do projeto: ARCEN ENGENHARIA S.A.
Responsável pelo projeto: RÚBEN BARBOSA / AUGUSTO BARBOSA
Parceiros:

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

Breve descrição:

A tecnologia BioCombus é um processo inovador patenteado pela UTAD que permite fazer a valorização dos resíduos e subprodutos da extração de azeite através da produção de um biocombustível sólido de elevado poder calorífico (cerca de 20% superior aos pellets de madeira). Numa primeira fase, a Tecnologia BioCombus foi implementada com sucesso numa escala pré-industrial, que se traduziu na construção e instalação de uma linha-piloto, com capacidade de produção de pellets entre 30 a 40 kg/hora, envolvendo uma parceria entre a UTAD e a Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Murça. Para a sua implementação à escala industrial (Fase II) há a necessidade de consolidar a validação da tecnologia e desenvolver uma máquina ou equipamento com vista a uma utilização comercial. Neste âmbito e no sentido de atingir aquele objetivo, é estabelecida uma parceria entre a ARCEN e a UTAD.

Esta segunda fase basear-se-á no conhecimento obtido em ambiente operacional e na tecnologia BioCombus já implementada, mas implicará um natural redesenhar, redimensionar e projetar de todos os módulos. Desta forma, pretende obter-se uma linha integrada de produção com eficiência energética e com rendimentos de produção adequados a uma validação industrial e que enquadre esquemas de montagem, transporte e manutenção que lhe confira viabilidade técnico-económica e condições de replicabilidade.

A implementação à escala industrial desta tecnologia traduzir-se-á na resolução de um problema ambiental e constituirá uma mais-valia económica, quer para as unidades de produção de azeite quer para as unidades de tratamento e valorização dos resíduos de azeite, contribuindo para a sustentabilidade do sector na medida em que esta tecnologia, isoladamente ou em conjugação com sistemas de tratamento e valorização já existentes, pode constituir-se no contributo fundamental para alcançar uma solução global para a gestão daqueles resíduos e subprodutos.